Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Yakecan ou ‘som do céu’: por que a Marinha deu esse nome ao ciclone no Sul

Fenômeno deve provocar rajadas de vento de até 110 km/h, a formação de ressacas no litoral do Sul e Sudeste e ajudar a derrubar as temperaturas pelo país

Por Da Redação Atualizado em 17 Maio 2022, 19h21 - Publicado em 17 Maio 2022, 16h38

O ciclone subtropical que se formou no Sul do continente e que já leva muita preocupação a estados como Rio Grande do Sul e Santa Catarina foi batizado pela Marinha com o nome de Yakecan, expressão tupi-guarani que significa “o som do céu”.

O nome não é em vão. O ciclone provoca rajadas de vento que chegam a 110 km/h e é sinônimo de estragos por onde passa. No Uruguai, um homem morreu. No Rio Grande do Sul, os ventos viraram uma embarcação com cinco pessoas e um homem continua desaparecido. Aulas e outras atividades públicas estão sendo suspensas por prevenção.

Quem deu o nome ao fenômeno foi a Marinha do Brasil. Ele foi escolhido com base em uma lista prévia divulgada pelo CHM (Centro de Hidrografia da Marinha), que listou quinze denominações passíveis para serem usadas em eventos desse tipo, todas retiradas do tupi-guarani. Veja a lista:

  • Arani (tempo furioso)
  • Bapo (chocalho)
  • Cari (homem branco)
  • Deni (tribo indígena)
  • Eçaí (olho pequeno)
  • Guará (lobo do cerrado)
  • Iba (ruim)
  • Jaguar (lobo)
  • Kurumi (menino)
  • Mani (deusa indígena)
  • Oquira (broto de folhagem)
  • Potira (flor)
  • Raoni (grande guerreiro)
  • Ubá (canoa indígena)
  • Yakecan (som do céu)

Segundo a orientação do CHM, esses nomes devem ser usados para sistemas tropicais e subtropicais que venham a se desenvolver no Atlântico Sul. Quando um é usado, ele é retirado da lista. Quando todos forem utilizados, recomeça-se a batizar fenômenos com os nomes que já foram usados.

Há apenas uma exceção: nomes que  batizaram “fenômenos considerados de significativa relevância” serão retirados da lista e não serão mais utilizados.

O Yakecan se candidata a entrar nessa exceção. Formado em alto-mar na noite de segunda-feira 16, a sudeste da costa do Rio Grande do Sul, ele avançou com força em direção ao continente e pode provocar ventos intensos – e até ressacas – até o dia 19, inclusive em regiões mais distantes, como Arraial do Cabo (RJ).

A passagem do ciclone, que deve se transformar em uma tempestade tropical, somada à massa de ar polar fria que vem do Sul do continente, vai derrubar as temperaturas em todo o país entre hoje e amanhã.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)