Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Vantagem de João Campos cai no Recife; disputa pelo 2º turno fica embolada

Segundo o Datafolha, candidato do PSB oscilou negativamente, enquanto seus três principais adversários ganharam pontos na pesquisa

Por Redação Atualizado em 11 nov 2020, 19h42 - Publicado em 11 nov 2020, 19h33

O deputado federal João Campos (PSB) apresentou oscilação negativa no índice de intenção de voto e viu a disputa pela prefeitura do Recife ficar ainda mais embolada. Segundo a pesquisa divulgada nesta quarta-feira, 11, pelo Datafolha, Campos foi de 31% para 29%. O recuo ocorreu num momento em que a deputada federal Marília Arraes (PT), o ex-ministro Mendonça Filho (DEM) e a Delegada Patrícia Domingos (Podemos) registraram crescimento em seus percentuais eleitorais.

Marília, que está na segunda colocação, foi de 21% para 22% — como a margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos, ela está empatada com Mendonça, que subiu de 16% para 18%. Já o ex-ministro também tem empate técnico com Patrícia, que foi de 14% para 15%. Brancos e nulos representaram 9% dos entrevistados. Outros 4% não souberam responder.

Em termos de rejeição, Patrícia é disparada a primeira colocada, com 40% dos entrevistados dizendo que não votariam na delegada de jeito nenhum. Ela recebeu nesta semana o apoio de Jair Bolsonaro (sem partido), com quem fez uma live transmitida no Facebook do presidente. João Campos é o segundo mais rejeitado pelos eleitores, com 34%, seguido de Mendonça Filho (31%), do candidato do PSC, Coronel Feitosa (30%), e de Marília Arraes (27%).

As projeções de segundo turno mostram que João Campos também oscilou negativamente nas disputas contra Marília e Mendonça. Numa eventual briga com a petista, de quem é primo — ele é bisneto e ela é neta do patriarca político da família, Miguel Arraes –, o candidato do PSB venceria por 41% a 35% (antes, ele tinha 43%, contra 35% da adversária). Já na disputa hipotética com o ex-ministro, João Campos venceria por 46% a 38% (antes, ele tinha 49%, contra 33% de Mendonça). O deputado do PSB só registrou melhora nos números numa disputa diante da Delegada Patrícia. Ele venceria a candidata do Podemos por 54% a 31% (antes, ele tinha 50%, contra 31% da rival).

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês