Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

TRF4 atende a pedido e concede carro blindado a juiz da Lava Jato

Eduardo Appio havia solicitado reforço na segurança dizendo sofrer ameaças após depoimento de advogado que acusou Moro e Deltan

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 30 mar 2023, 20h24

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) atendeu nesta quinta-feira, 30, ao pedido do juiz federal Eduardo Appio, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba, e disponibilizou a ele um carro blindado para seus deslocamentos. O veículo estará à disposição de Appio a partir das 14h desta sexta-feira, 31.

O juiz federal havia solicitado o carro blindado ao TRF4 diante de ameaças que ele diz estar sofrendo desde a segunda-feira, 27, quando colheu depoimento do advogado Rodrigo Tacla Duran. Apontado pela Lava Jato como operador de propinas da Odebrecht e da UTC, Tacla Duran falou sobre uma suposta extorsão praticada contra ele por advogados ligados à deputada Rosângela Moro (União-SP), mulher do senador e ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro (União-PR). As acusações dele também envolvem o deputado federal e ex-procurador Deltan Dallagnol (Podemos-PR).

No pedido de reforço na segurança, o juiz sustentou que as ameaças que tem sofrido são “consequência direta do poderio econômico, social (redes sociais) e político exercido” por Moro e Deltan. O documento também cita ameaças sofridas em razão de um júri envolvendo um membro de organização criminosa, que ele vai conduzir.

Em depoimento a Appio na segunda, Tacla Duran falou brevemente sobre a suposta extorsão de que teria sido alvo. Ele deu mais detalhes de sua narrativa em depoimento à PF. Duran afirma ter depositado 613.000 dólares a um advogado ligado à mulher de Moro, em 2016. O objetivo do pagamento seria viabilizar uma delação premiada que teria o aval de Deltan e que, ao não prosseguir com os pagamentos, teria sido alvo de prisão decretada por Moro.

Deltan Dallagnol e Sergio Moro negam duramente as acusações. O ex-juiz classificou o acusador como “criminoso confesso e destituído de credibilidade” e disse não temer investigações. Em suas redes sociais, Deltan foi na mesma linha: “Não é nada mais que uma história falsa, requentada pela terceira vez sem novidade e que já foi investigada pelo MPF e PGR, que a descartaram totalmente. Isso revela desespero”, postou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.