Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Tremores de terra são detectados em três cidades da Serra Gaúcha

Segundo o Observatório Sismológico da UnB, houve abalos em Caxias do Sul, Bento Gonçalves e Pinto Bandeira; MetSul diz que chuva causou acomodações do solo

Por Da Redação Atualizado em 13 Maio 2024, 12h14 - Publicado em 13 Maio 2024, 12h04

As fortes chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul provocaram tremores de terra em ao menos três municípios da Serra Gaúcha nesta segunda-feira, 13, segundo o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB). De acordo com a instituição, entre 4h48 e 6h03, houve quatro registros em Caxias do Sul, Bento Gonçalves e Pinto Bandeira — o primeiro com magnitude 2,4; os demais, 2,3.

Em Caxias do Sul, moradores de pelo menos quatro bairros — Madureira, Universitário, Jardim América e Pio X — relataram os abalos, que teriam sido acompanhados por um “estouro”.

De acordo com a empresa de meteorologia MetSul, os tremores ocorreram devido à acomodação do solo pelo excesso de chuva. O movimento é chamado tecnicamente de acomodação de camadas geológicas. Quando chove demais, tais abalos de baixa magnitude ocorrem na Serra. Houve dois episódios em 2023″, explicou o instituto. 

Em nota, a prefeitura de Caxias do Sul informou que “não há riscos para a população”. Segundo o diretor de Gestão Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, o geólogo Caio Torques, o fenômeno já ocorreu no município em outras oportunidades. No ano passado, duas ocorrências semelhantes ocorreram em Caxias do Sul, em julho (bairro Castelo) e novembro (Jardim América). Em 2008 e 2010 o Jardim América também teve tremores de terra.

Continua após a publicidade

Ainda de acordo com a prefeitura, a aceleração dessas acomodações de placas pode ocorrer devido à lubrificação causada pela água. “Eventos desse tipo não têm poder de destruição, os moradores podem ficar tranquilos. Até agora não detectamos nenhum grande deslizamento de terra nas proximidades de onde foram sentidos”, disse Torques.

Rachaduras em rodovia

Os acumulados de chuva na região de Caxias do Sul entre sexta-feira e domingo ficaram entre 200 mm e 250 mm na maioria das áreas. Segundo a MetSul, o risco geológico é extremo na região. Nova rachaduras foram detectadas ao longo da BR-116, no município de Caxias do Sul, aumentando as preocupações em relação à segurança da rodovia.

Mortes e alerta no RS

O total de mortes causadas pela crise climática no Rio Grande do Sul chegou a 147 nesta segunda-feira, 13, segundo boletim divulgado pela Defesa Civil às 9h. Os temporais deixaram outras 806 pessoas feridas e 127 estão desaparecidas. Mais de 2 milhões de habitantes foram afetados em pelo menos 447 municípios gaúchos. O número de desalojados passa de 538 mil, sendo que quase 81 mil pessoas estão em abrigos.

Por outro lado, as operações de salvamento da Defesa Civil, em conjunto com as Forças Armadas e as Guardas Municipais, já conseguiram resgatar 76.470 pessoas e 10.814 animais de zonas alagadas.

Continua após a publicidade

O estado ainda está em alerta. Em razão das novas tempestades que atingiram o estado ao longo do fim de semana, o nível do Lago Guaíba voltou a subir nesta madrugada. Desde as 23h do último domingo, 12, o nível das águas subiu 22 centímetros e chegou a 4,84 metros às 9h desta segunda-feira.

Com previsão de mais chuvas na região, o Guaíba pode chegar à marca recorde de 5,5 metros até a próxima terça-feira, 14, segundo estimativa do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.