Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Toffoli arquiva recurso de Bolsonaro contra multa da Justiça Eleitoral

Condenação do ex-presidente foi por causa de vídeo em que duas mulheres falam de Lula como um 'ex-abusivo'

Por Isabella Alonso Panho Atualizado em 16 Maio 2024, 13h53 - Publicado em 16 Maio 2024, 13h43

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli decidiu arquivar, nesta quinta-feira, 16, um recurso de Jair Bolsonaro contra uma multa de 15.000 reais aplicada pela Justiça Eleitoral. O ex-presidente foi condenado pelo impulsionamento (termo usado para o tráfego pago de conteúdos nas redes sociais) de um vídeo em que duas mulheres falam de Lula, seu adversário do pleito de 2022, como se ele fosse um “ex-abusivo” para o qual uma delas pensava em voltar.

Enquanto elas conversam, a tela é atravessada por manchetes e capas de revista que falam das condenações do petista na Lava-Jato. O impulsionamento de conteúdos de campanha é permitido por lei, desde que isso fique claro no conteúdo e que seja para promover a imagem candidato que o divulga — e não macular a do adversário.

A decisão desta quinta coloca um ponto final no agravo em recurso extraordinário que a defesa de Bolsonaro apresentou. O objetivo do agravo é fazer com que o recurso extraordinário apresentado ao TSE suba ao STF e seja analisado no seu mérito. O procurador-geral da República, Paulo Gonet, já havia opinado no último dia 6 pela rejeição do pedido do ex-presidente.

O principal argumento de Toffoli é de que o caso não envolve questões constitucionais, que são a competência do Supremo, e, por isso, não deve ter seu mérito analisado na Corte.

Continua após a publicidade

“A prática ilícita foi examinada sob a ótica do microssistema de tutela da propaganda eleitoral, incorporado na Resolução n. 23.610/2019 e na Lei n. 9.504/1997, ou seja, as condutas foram examinadas à luz de normas infraconstitucionais, de modo que eventual ofensa à Constituição Federal, ainda que existente seria indireta ou reflexa, o que inviabiliza o trânsito do apelo nobre”, disse o magistrado na decisão.

Revés

Em abril, Bolsonaro sofreu um revés parecido no STF. No dia 22 daquele mês, a Corte decidiu por unanimidade manter uma multa de 70 mil reais arbitrada pelo TSE ao ex-presidente também por causa de propaganda irregular na campanha de 2022. Na ocasião, a Justiça entendeu que ele também impulsionou conteúdos desfavoráveis a Lula: nesse caso, foram trechos de depoimentos prestados pelo petista nas ações da Lava Jato.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.