Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

STJ concede semiaberto a ex-seminarista que matou pai em bairro nobre

Gil Rugai também assassinou a madrasta; crime ocorreu em 2004

Por Sérgio Quintella 21 jun 2022, 12h58

O ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou no último dia 15 que o ex-seminarista Gil Grego Rugai, 38, condenado a 33 anos de prisão pela morte do pai e da madrasta, no bairro de Perdizes, em São Paulo, em 2004, seja levado ao regime semiaberto. Na decisão, o magistrado também liberou Rugai da realização do teste de Rorschach (que analisa os traços e personalidades por meio de imagens), como havia condicionado o Ministério Público paulista ao seu aval para a progressão de pena. 

Nesta segunda, 20, a Vara de Execuções Criminais São José dos Campos determinou a imediata remoção do condenado para uma unidade prisional em que ele possa sair de dia para trabalhar, retornando ao local à noite. 

Agora que poderá deixar a cadeia de Tremembé, ele afirma que pretende ajudar um irmão, que atua na criação de crustáceos, ou com um primo, que é alfaiate. “Minha família sempre foi bem unida”, afirmou Gil a um psiquiatra que o examinou há cerca de dois anos. Na cadeia, ele ajudou na alfabetização de presos e deu aulas de violão e inglês.

Nos últimos anos, Rugai passou por diversas sessões com psiquiatras, assistentes sociais e psicólogos. Em outra conversa com os profissionais, o homem, que estudou teologia para ser padre, mas desistiu, se disse frustrado com a religião. “Rompi com Deus, mas depois acabei voltando a rezar”. Em outro encontro, Gil Rugai manteve a alegação de inocência. Ele nunca se reconheceu como assassino do pai e da esposa dele. “Cada hora falam uma coisa sobre quantas pessoas saíram da casa após o delito”.

Na conclusão de um laudo, um psiquiatra do governo estadual afirmou que Gil Rugai é portador de transtorno de personalidade obsessivo compulsiva, certificado pelo CID (Classificação Internacional de Doenças) como F60.5. Nada que o impedisse de migrar para um cumprimento de sentença mais brando. “Não há contraindicação psiquiátrica, no momento, para progressão de regime penal”.

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)