Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

STF manda à Justiça Eleitoral suspeitas de propina de R$ 5 milhões a Cunha

Ex-deputado está inelegível até 2027, mas sonha com candidatura a deputado federal por São Paulo, alinhada com o bolsonarismo

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 24 mar 2022, 12h27

Enquanto estuda meios para derrubar a inelegibilidade que o impede de disputar eleições até 2027 e sonha com uma candidatura a deputado federal por São Paulo em outubro, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha pode ver surgir contra si um novo foco de dores de cabeça judiciais.

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que sejam enviadas à Justiça Eleitoral do Rio Grande do Norte suspeitas levantadas pela Polícia Federal acerca de repasses de 5 milhões de reais da Odebrecht ao ex-deputado nas eleições de 2014. O dinheiro teria sido destinado a Cunha em troca de sua atuação pela Medida Provisória 627, de 2013, quando o ex-parlamentar era líder do MDB na Câmara.

O texto alterou a legislação tributária federal sobre o Imposto de Renda de Pessoas Jurídicas e tratou da tributação de empresas domiciliadas no Brasil em relação a lucros obtidos no exterior, temas que interessavam ao grupo sobretudo pela atuação de sua construtora, sua empresa de óleo e gás e da Braskem, seu braço petroquímico, fora do Brasil.

A decisão de Fachin foi tomada no âmbito de uma investigação em curso no STF que mira o senador Renan Calheiros (MDB-AL) e o ex-senador Romero Jucá (MDB-RR), também suspeitos de beneficiar a empreiteira por meio da MP.

Continua após a publicidade

O material referente a Cunha foi remetido à 1ª Zona Eleitoral de Natal, à qual caberá analisar se instaura ou não inquérito contra o ex-emedebista. A conexão com a Justiça eleitoral potiguar foi observada porque Cunha já havia sido denunciado em 2017 à Justiça Federal do Rio Grande do Norte a partir da Operação Manus, acusado de negociar 2 milhões de reais da Odebrecht em caixa dois à campanha de Henrique Alves, também ex-presidente da Câmara, ao governo local nas eleições de 2014. Em 2021, o STJ enviou o caso à Justiça eleitoral.

Inelegível até 2027, devido à cassação do seu mandato na Câmara, em 2016, Eduardo Cunha lançará a filha, Danielle, como candidata a deputada federal pelo Rio de Janeiro, seu antigo domicílio eleitoral. O ex-todo-poderoso do Congresso assumiu o comando do PROS em São Paulo, onde pretende reconstruir sua carreira política alinhado ao bolsonarismo

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.