Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

STF já tem data para julgar liberdade de viúva do ex-capitão Adriano

Alvo de operação do MP-RJ e autora de delação premiada frustada, Julia Lotufo quer revogação de prisão domiciliar

Por João Pedroso de Campos 11 abr 2022, 13h31

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) já tem data para julgar um pedido de liberdade feito por Julia Emilia Mello Lotufo, viúva do ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais da PM do Rio de Janeiro Adriano da Nóbrega, acusado de integrar uma das mais violentas milícias cariocas, morto em 2020. O colegiado vai decidir sobre o caso em julgamento virtual, entre os dias 22 e 29 de abril.

Os ministros vão analisar um recurso da defesa dela contra uma decisão do ministro Luís Roberto Barroso, que em dezembro negou revogar a prisão domiciliar de Julia por razões processuais. Compõem a Primeira Turma, além de Barroso, os ministros Rosa Weber, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli e Cármen Lúcia.

Alvo da Operação Gárgula, do Ministério Público do Rio de Janeiro, Julia Lotufo está em prisão domiciliar desde abril de 2021, por ordem do ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Além do fim da prisão domiciliar com monitoramento por tornozeleira eletrônica, ela também busca autorização para deixar o Brasil e se mudar para Portugal.

Em dezembro, Fonseca negou os pedidos da defesa da viúva do capitão Adriano, decisão que levou os advogados de Julia a recorrerem ao Supremo. A defesa acabou desistindo de conseguir sua liberdade no STJ no dia anterior ao julgamento do habeas corpus na Corte, em fevereiro.

Como mostrou reportagem de VEJA, Julia alega que, como não foi incluída no programa de proteção a testemunhas, corre o risco de ser morta num caso típico de queima de arquivo. Depois de ter a prisão decretada, ela apresentou ao MP do Rio uma proposta de delação premiada, cujo conteúdo foi revelado por VEJA em agosto do ano passado, e que acabou sendo rejeitada pelos promotores fluminenses em fevereiro.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)