Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Sete vezes em que Bolsonaro foi insensível ao comentar mortes por Covid-19

Presidente voltou a adotar essa postura no sábado, 22, ao dizer que o número de crianças mortas pela doença era ‘insignificante’

Por Da Redação Atualizado em 24 jan 2022, 14h10 - Publicado em 24 jan 2022, 14h07

No último sábado, 22, o presidente Jair Bolsonaro chocou a parte sensata da população ao, mais uma vez, relativizar as mortes em decorrência da Covid-19. Ao ser questionado sobre a vacinação de crianças, o presidente respondeu que o número de mortes na faixa etária de 5 a 11 anos de idade era “insignificante”.

“Algumas morreram? Sim, morreram. Lamento, profundamente, tá? Mas é um número insignificante e tem que se levar em conta se ela tinha outras comorbidades também”, afirmou durante passeio por Eldorado (SP), para onde havia viajado em razão da morte da mãe, Olinda Bonturi Bolsonaro, aos 94 anos.

Relembre outras vezes em que o presidente fez pouco caso das mortes..

 

“Infelizmente, algumas mortes terão. Lamento, essa é a vida”

No dia 27 de março de 2020, ao defender que o país não pare por causa da pandemia

 

“Eu não sou coveiro, tá certo?”

No dia 20 de abril de 2020, ao interromper um repórter que perguntara sobre o que ele achava das 2.575 mortes registradas até então

 

“E daí, lamento. Quer que faça o quê?”

No dia 28 de abril de 2020, após uma jornalista informar que o Brasil havia ultrapassado a China em número de mortos

 

“Eu lamento todos os mortos, mas é o destino de todo mundo”

No dia 2 de junho de 2020, ao responder a uma apoiadora que, com uma Bíblia na mão, pediu “uma palavra de conforto nessa hora”

 

“Todo mundo vai morrer um dia, não adianta fugir disso. Tem que deixar de ser um país de maricas”

No dia 10 de novembro de 2020, ao criticar as políticas de isolamento social

 

“Qual país não morreu gente? Eu não vim aqui para me aborrecer”

No dia 11 de outubro de 2021, ao ser questionado por uma repórter sobre as 600.000 mortes, durante visita ao Guarujá (SP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.