Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Sem lockdown: novo ministro se equilibra entre a ciência e o bolsonarismo

Marcelo Queiroga diz que fechar atividade econômica é medida só para ‘situações extremas’ e afirma que médico tem autonomia para receitar cloroquina

Por Da Redação Atualizado em 16 mar 2021, 12h29 - Publicado em 16 mar 2021, 11h00

O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, sabe que tem uma missão espinhosa pela frente: conciliar o que prega a ciência – ele é médico, defende a vacina e preside a Sociedade Brasileira de Cardiologia – e a resistência do presidente Jair Bolsonaro a questões já consagradas pelos especialistas em relação à Covid-19, como a eficiência do distanciamento social e a inutilidade do chamado “tratamento precoce” (uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença, como cloroquina e ivermectina).

Suas primeiras declarações públicas mostram que é nesse fio da navalha que ele pretende caminhar. Em entrevista à CNN Brasil na noite de segunda-feira, 15, ele já descartou o lockdown como uma “política de governo” no combate ao vírus. Bolsonaro faz campanha aberta, quase diária, contra as medidas de restrições adotadas nos estados.

“Esse termo de lockdown decorre de situações extremas. São situações extremas em que se aplica. Não pode ser política de governo fazer lockdown. Tem outros aspectos da economia para serem olhados”, afirmou Queiroga. Ele repetiu ainda um mantra de Bolsonaro de que é necessário “assegurar que a atividade econômica continue, porque a gente precisa gerar emprego e renda”.

Na mesma entrevista, questionado sobre outra fixação do presidente, o uso da cloroquina, ele desconversou: “Isso é uma questão médica. O que é tratamento precoce? No caso da Covid-19, a gente não tem um tratamento específico. Existem determinadas medicações que são usadas, cuja evidência científica não está comprovada, mas, mesmo assim, médicos têm autonomia para prescrever”, ponderou.

Na manhã desta terça-feira, 16, ao chegar para uma reunião com o ainda ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, Queiroga deixou claro que a política de enfrentamento do coronavírus não é do ministério, mas da gestão Bolsonaro. “O governo está trabalhando. As políticas públicas estão sendo colocadas em prática. O ministro Pazuello anunciou todo o cronograma da vacinação. A política é do governo Bolsonaro. A política não é do ministro da Saúde. O ministro da Saúde executa a política do governo”, disse.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês