Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Recife: PT anuncia oposição a Campos e avalia se sai do governo Câmara

João Campos confirma promessa de que não indicará nenhum petista para o seu governo; e Marília fala em oposição ao prefeito eleito

Por Eduardo Gonçalves, no Recife Atualizado em 30 nov 2020, 17h30 - Publicado em 30 nov 2020, 17h29

A campanha agressiva em Recife entre os primos João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT) deixou feridas abertas difíceis de cicatrizar. E o mal-estar não se restringiu apenas ao núcleo familiar, mas à parceria histórica entre PT e PSB em Pernambuco. Enquanto o vitorioso Campos anunciou como promessa de campanha não compor o governo com nenhum petista, a derrotada Marília disse ter sido vítima de uma série de fake news e defendeu que a sigla deve ser “oposição” ao prefeito eleito.

A VEJA, o vice-presidente da executiva nacional do PT, deputado José Guimarães, disse que a campanha difamatória do PSB contra Marília “beirou o fascismo”. “Foi inaceitável em todos os aspectos. Nem a oposição fez isso com a gente”, disse ele, em referência às peças que diziam que Marília era contra Bíblia e a favor da ideologia de gênero nas escolas.

Na reta final da disputa, Campos explorou ainda o antipetismo para superar a adversária. A propaganda na TV dizia que o PT nacional iria voltar e mandar em Recife. “José Dirceu, Gleisi Hoffmann, Mercadante”. Eles querem voltar”. No último debate, ele também afirmou que não dá para contar nos dedos das mãos os petistas presos em casos de corrupção, e a militância do PSB saiu às ruas com camisetas com a frase “PT nunca mais”.

O grande dilema é que o PT ainda faz parte do governo Paulo Câmara (PSB) na Secretaria de Desenvolvimento Agrário, cujo titular é Dilson Peixoto, que foi secretario de assuntos institucionais da sigla e coordenador executivo do senador Humberto Costa (PT).  A estratégia do PSB era manter os petistas no governo justamente para dizer que nem a sigla queria a candidatura de Marília. Mas a cruzada antipetista de Campos acabou levando a direção do PT a se unir em prol da candidata.

O governador de Pernambuco tentou colocar panos quentes na briga e disse que não tomaria nenhuma decisão precipitada de exonerar os petistas da sua administração. Marília, no entanto, foi mais explícita ao falar sobre o rompimento. “Não podemos nos articular com um grupo que não somente faz tão mal na gestão, mas trata a política da forma que tratou agora”. Reuniões foram marcadas nesta semana para resolver o impasse, mas o rompimento definitivo é considerado praticamente inevitável.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)