Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Bruno Ribeiro, Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Quem venceu o embate entre o governo Bolsonaro e o STF nas redes sociais

Levantamentos feitos pela Quaest Consultoria e pela DAPP-FGV quantificaram o tamanho da polêmica na internet e como os eleitores reagiram ao noticiário

Por Da Redação 1 Maio 2022, 15h46

A graça (espécie de indulto individual) concedida pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado por ameaçar ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e incitar a violência contra as instituições, gerou 1,45 milhão de postagens no Facebook, no Instagram e no Twitter em menos de uma semana. Segundo levantamento feito pela Quaest Consultoria e Pesquisa para reportagem de VEJA desta semana, 52% das menções foram favoráveis à iniciativa de Bolsonaro. Ainda que parte desse montante venha de robôs, a empresa conclui que o presidente “conseguiu mobilizar sua base aliada de forma efetiva, protagonizando o debate”.

arte Redes

Outro estudo, da Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da FGV, identificou que o caso de Silveira ocupou 11,24% das menções no Twitter entre os perfis de direita, que celebraram a iniciativa – o pico de tuítes (100 000) foi às 18h do dia 21, quando saiu o decreto presidencial.

arte Redes

Um segundo episódio de embate entre o governo e o Judiciário, a nota do Ministério da Defesa rebatendo o ministro do STF Luís Roberto Barroso, que disse em um seminário internacional que as Forças Armadas parecem estar sendo “orientadas” a atacar o processo eleitoral, também rendeu um número expressivo de publicações nas redes — novamente de forma positiva para Bolsonaro. De acordo com levantamento da Quaest, houve 128 mil menções à nota da Defesa no Twitter, no Facebook e no Instagram entre 24 e 27 de abril, 63% delas favoráveis aos argumentos do governo.

As menções críticas à nota, assinada pelo ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, representaram 32% do total, com predomínio do argumento de que as Forças Armadas não deveriam interferir nas eleições. Houve ainda 5% de menções neutras, sobretudo de matérias jornalísticas que apenas noticiaram a divulgação da nota.

As próximas pesquisas de intenção de voto devem dizer se confrontos como esses servem só para agitar os apoiadores radicais ou se também trazem dividendos eleitorais.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês