Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Quem é o secretário de Queiroga que defende a cloroquina e ataca a vacina

Helio Angotti Neto, que assina documento contrário à ciência, esteve entre os alvos da CPI da Pandemia e foi a Israel atrás de spray nasal contra a Covid-19

Por Da redação
Atualizado em 24 jan 2022, 12h23 - Publicado em 24 jan 2022, 12h13

Responsável pela nota do Ministério da Saúde que afirma que as vacinas não têm efetividade e segurança contra a Covid-19, mas a hidroxicloroquina, sim, o médico Helio Angotti Neto é um velho conhecido da CPI da Pandemia, que o indiciou por epidemia com resultado em morte e incitação ao crime. O posicionamento expresso no documento já foi refutado por pesquisas científicas que mostram exatamente o contrário.

No relatório final da comissão, a atuação de Angotti à frente da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde do ministério  — por onde passa a definição das compras de remédios para a rede pública — foi marcada pela defesa de medicamentos sem eficácia e pela omissão, como a falta de monitoramento de insumos que levou à morte de pacientes sem oxigênio em Manaus. “O secretário propagava em redes sociais e lives com o presidente da República o uso de medicamentos sem eficácia comprovada”, aponta o relatório. 

A CPI apontou a participação de Angotti no núcleo que dava suporte ao “gabinete do ódio” — o birô digital de desinformação que opera de dentro do Palácio do Planalto. “Eles incentivaram as pessoas ao descumprimento das normas sanitárias impostas para conter a pandemia e adotaram condutas de incitação ao crime”, aponta o relatório. Uma decisão do ministro Kassio Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal, impediu que a comissão quebrasse seu sigilo. 

Considerado mais um integrante da ala olavista do governo de Jair Bolsonaro, Angotti integra a gestão desde o início, quando assumiu o cargo de diretor do Departamento de Gestão da Educação do Ministério da Saúde, onde era subordinado a Mayra Pinheiro, conhecida como “capitã cloroquina”. Foi na gestão de Eduardo Pazuello que ele assumiu a secretaria atual. Ele chegou a entrar na lista de possíveis demitidos com a chegada de Marcelo Queiroga, mas reputa-se ao bom relacionamento com a família Bolsonaro a sua principal credencial para permanecer no posto.

Em março de 2021, Angotti integrou a comitiva que foi a Israel acompanhar o desenvolvimento de um spray nasal contra a Covid-19. A aposta do governo sofreu recentemente um revés na Anvisa, que cancelou a liberação do medicamento por entender que uma auditoria mostrou que ele não corresponde ao que havia sido descrito no pedido de autorização de uso. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.