Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Quem é André Janones, o presidenciável que empata com Doria, Ciro e Moro

Deputado que ganhou fama com a greve dos caminhoneiros em 2018 aparece empatado na margem de erro com todos os candidatos da terceira via, segundo o Ipec

Por Da Redação Atualizado em 15 dez 2021, 18h05 - Publicado em 15 dez 2021, 12h17

Uma surpresa tomou conta do meio político após um pré-candidato estreante aparecer colado aos nomes da chamada terceira via em pesquisa do Ipec (instituto criado por ex-executivos do Ibope) sobre a eleição presidencial de 2022, divulgada nesta terça-feira, 14.

A cara nova no levantamento é a do deputado federal André Janones (Avante-MG), que pontuou 2% e ficou empatado tecnicamente com três nomes que se apresentam como alternativa ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT): Sergio Moro (6%), Ciro Gomes (5%) e João Doria (2%). A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Janones, embora também empatado tecnicamente, aparece à frente numericamente de outros nomes da terceira via, como Simone Tebet (MDB), que tem 1%; e Alessandro Vieira (Cidadania), Luiz Felipe d’Ávila (Novo) e Rodrigo Pacheco (PSD), que não pontuaram.

Caminhoneiros

André Janones, que é advogado, ganhou destaque em 2018, quando se tornou uma espécie de porta-voz informal dos caminhoneiros durante a greve da categoria no governo Michel Temer (MDB) — um vídeo gravado por ele numa estrada de Mina Gerais alcançou mais de 15 milhões de visualizações. Hoje, ele tem quase 8 milhões de seguidores no Facebook e 128 mil no Twitter. No seu último post no Facebook, no qual defendeu o Auxílio Brasil de 400 reais, ele obteve 2,2 milhões de visualizações.

Ao lançar a sua pré-candidatura, o deputado, que não é ligado nem a Bolsonaro nem a Lula (apesar de ter sido filiado ao PT de 2003 a 2012), também atacou a terceira via. “Essas candidaturas continuam deixando de fora os que realmente deveriam ser os protagonistas das discussões políticas: os mais pobres, os trabalhadores, quem está na favela e, normalmente, é excluído”, disse ao jornal Estado de Minas.

Mas nem só de popularidade vive o deputado. Além disso, ele coleciona algumas polêmicas em sua atuação como parlamentar. Em 2019, ele foi parar no Conselho de Ética da Câmara por ter chamado seus colegas de Casa de “canalhas”, “vagabundos” e “bandidos”. No fim, ele acabou absolvido após pedir desculpas – o órgão entendeu que ele agiu nos limites da liberdade de seu mandato.

À época em que estava em jogo a disputa da presidência da Câmara, em janeiro de 2019, o deputado se declarou como um dos pleiteantes, mas sua candidatura não decolou. Para cacifar, ele dizia que era um “candidato do povo”, mas reclamava que a imprensa “escondia” sua candidatura.

Amarelas On Air: Kassab vê Lula garantido no 2° turno e Bolsonaro em ‘queda livre’

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)