Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PSB e PT fecham aliança em cinco estados, mas batalha segue em PE e SP

Partidos negociam aliança que viabilizaria chapa Lula-Alckmin, mas tentam não abrir mão de protagonismo em projetos estaduais

Por Da Redação Atualizado em 20 jan 2022, 18h24 - Publicado em 20 jan 2022, 18h23

Logo após sair de uma reunião com a presidente do PT nesta quinta-feira, 20, o presidente do PSB, Carlos Siqueira, foi às redes sociais para colocar as cartas na mesa e dizer o que começa oferecendo para viabilizar o apoio do partido à candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva. O partido, que é o mais próximo do ex-tucano Geraldo Alckmin, irá apoiar candidatos petistas na Bahia, em Sergipe, no Piauí em no Rio Grande do Norte. Também poderá poderá oferecer palanque no Maranhão, no vácuo da popularidade do governador Flávio Dino, e em Alagoas.

Como em toda negociação, ao dizer o que pode oferecer, o PSB avisa também o que quer em troca. Ainda há entraves entre os dois partidos em São Paulo e em Pernambuco, estados em que as duas siglas não abrem mão de lançar candidato. “Há que se ter reciprocidade na construção da unidade política”, avisou o dirigente, na postagem, sem fazer referência aos dois estados onde há entrave.

Siqueira não falou em seu tuíte, mas o PT já sinalizou apoio ao PSB em estados como Rio de Janeiro e Espírito Santo, em que candidatos pessebistas têm melhores chances. Em São Paulo, os petistas querem lançar Fernando Haddad, enquanto o PSB quer  Márcio França. Em Pernambuco, a briga é entre Geraldo Julio, eventual sucessor do governador Paulo Câmara (PSB), e o senador Humberto Costa (PT).


Outras reuniões ainda devem ocorrer nas próximas semanas “para aprofundar o debate sobre os nomes aos governos estaduais”, ainda segundo Siqueira. Dirigentes das duas siglas querem formar uma federação partidária, tipo de união institucional regulamentada no fim do ano passado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e calculam ser possível formar, no próximo governo, uma bancada de até 200 deputados.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês