Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

PGR rejeita pedido de Robinho e diz que ex-jogador deve seguir na prisão

Em parecer ao STF, Paulo Gonet afirma que o caso já transitou em julgado na Justiça italiana e que não é mais possível discutir a pena imposta em 2022

Por Isabella Alonso Panho Atualizado em 9 Maio 2024, 12h33 - Publicado em 8 abr 2024, 19h35

O procurador-geral da República, Paulo Gonet Branco, se manifestou nesta segunda-feira, 8, pela manutenção da prisão do ex-jogador de futebol Robinho, preso no dia 21 de março para cumprir pena por participar do um estupro coletivo de uma mulher albanesa na Itália. O PGR disse, no habeas corpus que o atleta impetrou no Supremo Tribunal Federal (STF), que não há mais espaço para discutir o mérito do caso.

O crime aconteceu em 2013, dentro de uma boate em Milão, cidade-sede do Milan, time pelo qual Robinho era contatado. O processo criminal a que ele respondeu no exterior terminou em 2022. O governo italiano pediu a homologação da sentença na Justiça brasileira, para que ele cumprisse a pena no País. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) aceitou o pedido e a defesa de Robinho entrou com o habeas corpus, alegando que ainda há margem para recurso e, por isso, o ex-jogador não poderia ser preso.

O caso foi parar no gabinete do minstro Luiz Fux, que negou a liminar (pedido de urgência) feita pela defesa e enviou o processo para análise da PGR. Horas depois da decisão, Robinho foi preso em Santos, onde tem residência. Ele foi transferido para o presídio de Tremembé, no interior de São Paulo.

No parecer desta segunda, Gonet rechaçou a possibilidade de o ex-jogador rediscutir a sua ordem de prisão. “O trânsito em julgado da sentença condenatória proferida na Itália, fenômeno jurídico que ocorreu em 2022, autoriza a prisão imediata do paciente. O fato de o processo não ter tramitado no Brasil não altera essa conclusão. A manifestação é pela denegação da ordem”, argumentou o PGR.

Continua após a publicidade

Robinho tem a possibilidade de debater na Justiça brasileira aspectos técnicos do cumprimento da sentença italiana, mas não de revisar a sua condenação. O caso retorna, agora, para o gabinete do relator, Luiz Fux, que deve proferir seu voto e liberar o processo para julgamento. De acordo com o regimento interno do Supremo,os habeas corpus são julgados por todos os onze ministros da Corte.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.