Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PF faz operação contra o tráfico mais antigo do país: o de pau-brasil

Policiais cumprem vinte mandados de busca e apreensão contra suspeitos de formarem organização criminosa no ES; prática existe desde a descoberta do Brasil

Por Da Redação Atualizado em 30 nov 2021, 16h53 - Publicado em 30 nov 2021, 14h53

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 30, uma operação contra a prática do tráfico mais antigo do país: o de pau-brasil, praticado desde que os primeiros europeus chegaram ao país. Vinte mandados de busca e apreensão foram cumpridos em quatro municípios do norte do Espírito Santo. Os investigadores acreditam que a maior parte da madeira foi derrubada no Parque Nacional do Pau-Brasil, no sul da Bahia, que abriga a maior quantidade de remanescentes da árvore-símbolo nacional, atualmente sob risco de extinção.

A estimativa é que os suspeitos tenham lucrado mais de 232 milhões de dólares com o contrabando no mercado internacional. A madeira era utilizada principalmente para fabricar arcos e varetas de violino, que são vendidas a um valor final de mil dólares, em média, valor que pode chegar até 2.600 dólares. A PF investiga ao menos 20 pessoas, entre intermediários, extratores, atravessadores, artesãos e empresas produtoras de arcos de violino.

A maior parte dos produtos tem como destino os Estados Unidos, mas também há remessas a países europeus como Inglaterra e Itália. A operação teve apoio da U.S. Fish and Wildlife Service (UFW), agência americana que combate crimes ambientais, e também do Ibama. Os produtos recebiam o acabamento em solo nacional antes de serem despachados para o exterior. Segundo a PF, há indícios de que a mesma organização trabalhava em várias etapas da cadeia de produção, desde a extração clandestina do pau-brasil em reservas ambientais até a fabricação dos instrumentos.

Até agora, nenhum dos suspeitos foi preso. O objetivo da operação era reunir mais provas contra os investigados. A investigação teve início no fim de 2019, após o Ibama apreender cerca de 42 mil unidades de arcos e varetas de violino feitos com pau-brasil ilegal. Essa apreensão ocorreu durante a Operação Dó-Ré-Mi, que o Ibama realiza anualmente.

A espécie é considerada ameaçada desde 1992 pelo Ibama, quando o corte passou a ser limitado pelas normas ambientais brasileiras. Há ao menos 14 anos está em vigor uma proteção internacional que impõe restrições ao comércio internacional.

História

Espécie natural da Mata Atlântica, o pau-brasil era abundante na costa brasileira desde a região do Rio de Janeiro até o Rio Grande do Norte. Na linguagem tupi, a árvore é conhecida como ibirapitanga, ou simplesmente “árvore vermelha”. Sua extração foi a primeira grande atividade econômica após a chegada dos europeus na América, através de escambo com os indígenas.

O contrabando nas primeiras décadas do século XVI envolveu não só portugueses, mas franceses, holandeses, espanhóis e ingleses. A madeira era usada para móveis e utensílios, e a tinta vermelha extraída para tingir tecidos. Estima-se que ao menos meio milhão dessas árvores caíram durante os anos de colônia, segundo estimativa de um estudo sobre a história da exploração realizado na Universidade de São Paulo (USP) em 2004.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)