Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

PF: delegados citam ‘clima de revolta’ e prometem atos contra Bolsonaro

Policiais reagem a quebra de promessa do presidente e relatam 'insatisfação generalizada'

Por Da Redação Atualizado em 4 Maio 2022, 17h40 - Publicado em 4 Maio 2022, 14h38

Em reação ao anúncio de que o presidente Jair Bolsonaro deve descumprir a promessa de promover uma reestruturação das forças policiais da União, a Associação dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) anunciou que a categoria fará paralisações parciais e progressivas, entre outras medidas, em protesto contra o governo. As ações foram aprovadas em uma assembleia entre segunda e terça-feira, após o governo decidir por um reajuste linear de 5% para servidores federais em vez de aumentos para categorias específicas com quem vinha negociando.

Os delegados também aprovaram um pedido de renúncia do ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres. Eles alegam que a solicitação é uma resposta ao “desprestígio e desrespeitoso tratamento dado pelo presidente da República à Polícia Federal e ao próprio ministro”. A entidade diz, ainda, que os delegados poderão entregar cargos de chefia e recusar convites para novas funções.

O calendário de paralisações ainda será definido por delegados e outras categorias da PF, e prevê mobilizações e ações de conscientização durante o expediente. A associação também fez duras críticas ao governo e fala em “um clima de revolta e insatisfação generalizada nunca antes visto entre os servidores da PF”. Entre os pontos problemáticos citados pela ADPF estão a falta de assistência a famílias de policiais mortos em serviço, redução real do salário, por causa do aumento da alíquota da contribuição previdenciária, trabalho em regime de sobreaviso não remunerado e diárias cujos valores não cobrem os gastos de policiais com hospedagem, alimentação e transporte, “tendo o servidor que custear o restante com o próprio salário”.

“É importante destacar que a segurança pública foi a maior bandeira de campanha do governo Bolsonaro e o destacado trabalho das forças de segurança vem sendo utilizado, indevidamente, pelo presidente como instrumento de marketing para a sua reeleição”, diz a ADPF.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)