Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Petrobras: o que a nova presidente pensa sobre explorar a foz do Amazonas

Magda Chambriard foi indicada nesta quarta-feira, 15, pelo presidente Lula e assumirá o lugar de Jean Paul Prates

Por Da Redação 16 Maio 2024, 17h31

A engenheira Magda Chambriard foi indicada para o comando da Petrobras nesta quarta-feira, 15, após a demissão de Jean Paul Prates. Assim como seu antecessor, ela é a favor da exploração de petróleo na bacia da Foz do Amazonas e considera o projeto uma prioridade da estatal. 

O bloco pleiteado pela empresa fica a 500 quilômetros da foz do rio Amazonas e a 160 quilômetros da costa do Amapá, em uma região conhecida como Margem Equatorial. O pedido para explorar a área está sob avaliação do Ibama, responsável pela autorização para perfuração dos poços.

“A gente não pode desistir da Margem Equatorial. Nesse ponto, meu foco é a Foz do Amazonas, pelo tipo de geologia, pelo afastamento da costa, pelas águas profundas e pelo talude mais espesso”, afirmou Chambriard ao portal Brasil Energia, em abril de 2024. 

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo em setembro de 2023, ela disse que para o país manter o atual nível de produção e autossuficiência, precisaria avançar sobre a Margem Equatorial, sobretudo na exploração da foz do Amazonas. 

Continua após a publicidade

“Não é crível que após dez anos da oferta pública da Margem Equatorial e décadas de operação na Bacia de Campos, ainda haja impasses técnicos em processos de licenciamento”, escreveu Chambriard no artigo “Bacia da Foz, licenciamento ou risco Brasil”.

Entenda

A exploração de petróleo na Foz do Amazonas enfrenta resistência de ambientalistas, povos indígenas, do próprio Ibama e da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. Enquanto isso, a Petrobras, o Ministério de Minas e Energia, parlamentares e governadores dos estados do Norte pressionam pela concessão da licença.

O bloco fica em águas ultraprofundas, em uma região ainda pouco explorada, com fortes correntes marinhas, espécies ameaçadas de extinção e outras desconhecidas, além de recifes de corais recém-descobertos.

Continua após a publicidade

Em maio de 2023, o Ibama negou o pedido da Petrobras. Segundo técnicos do instituto, o plano de proteção à fauna apresentado tinha “deficiências significativas” e o plano de emergência para casos de vazamento de óleo no mar era insuficiente. Dias depois, a companhia apresentou um pedido de reconsideração da licença, ainda sob análise.

Povos indígenas

Na terça-feira, 14, a estatal informou que não pretende atender ao pedido feito pelo órgão ambiental para a realização de estudos de impactos para os povos indígenas. “A Petrobras não vai fazer esses estudos nesse estado em que está o processo de licenciamento porque eles não são legais. Existe uma portaria que deixa claro em qual fase esse tipo de consulta é adequada. Caso façamos a perfuração e tenhamos uma descoberta, aí sim caberia esse estudo no processo de licenciamento da atividade de produção”, afirmou o diretor de Produção e Exploração da Petrobras, Joelson Mendes.

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.