Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Perfil oficial anuncia a morte do escritor Olavo de Carvalho aos 74 anos

Falecimento do guru do bolsonarismo, que estava internado após contrair Covid-19, foi confirmado pelo site do escritor e pela família; Bolsonaro lamenta

Por Da Redação Atualizado em 25 jan 2022, 09h30 - Publicado em 25 jan 2022, 03h43

O escritor Olavo Luiz Pimentel de Carvalho morreu na noite de segunda-feira, 24, em um hospital na região de Richmond, na Virgínia (EUA), onde estava hospitalizado havia oito dias após ter contraído Covid-19. A informação foi divulgada pelo seu perfil oficial no Twitter, mas a causa da morte não foi informada. O presidente Jair Bolsonaro lamentou a morte em post publicado na madrugada desta terça-feira, 25.

A morte também foi anunciada pelo site Brasil Sem Medo, um canal de notícias na internet criado pelo escritor. O diretor editorial do portal, Silvio Grimaldo, seu parceiro na criação do veículo, retuitou a informação. “A família agradece a todos os amigos as mensagens de solidariedade e pede orações pela alma do professor”, postou o site.

A informação também foi referendada pela filha de Olavo, Heloisa de Carvalho Martin Arribas, que era rompida com o pai. “Que Deus perdoe ele de todas as maldades que cometeu”, postou Heloisa no Twitter. O escritor deixa a esposa, Roxane, oito filhos e dezoito netos.

Olavo de Carvalho havia sido hospitalizado ao menos três vezes no ano passado. No dia 8 de julho, ele foi internado no Incor-SP após apresentar uma crise de angina — sensação de peso, dor ou aperto no peito devido à diminuição do fluxo de sangue nas artérias que levam oxigênio ao coração. Nessa passagem, ele foi submetido a tratamento medicamentoso para compensação cardíaca e a uma cirurgia de revisão de operação da bexiga feita em maio, quando Olavo estava nos Estados Unidos.

Em agosto, ele foi novamente internado no Incor-SP, com quadro de insuficiência cardíaca e renal aguda e infecção sistêmica. Em novembro, ele deixou o Brasil às pressas logo após ser intimado pela Polícia Federal para prestar esclarecimentos num inquérito que investiga a atuação de milícias digitais para atacar as instituições democráticas. O episódio nunca foi totalmente esclarecido.

Carreira

Nascido em 1947 em Campinas, Olavo estava desde 2005 na Virgínia. Como astrólogo, chegou a lecionar na Unicamp. Ele escreveu o seu primeiro livro em 1980, A Imagem do Homem na Astrologia, mas alcançou sucesso, principalmente entre o público de direita, com best-sellers que lançou nos anos seguintes, como O Jardim das Aflições (1995) — que rendeu um filme em 2017, dirigido por Josias Teófilo –, O Imbecil Coletivo (1996) e O Mínimo que Você Precisa Saber Para Não Ser um Idiota (2013).  Ele foi autor ou co-autor de mais de 30 livros.

Continua após a publicidade

Olavo ganhou projeção com a vitória de Jair Bolsonaro à Presidência da República em 2018. Tido como um dos grandes influenciadores ideológicos do bolsonarismo, ele teve atuação direta no governo com a ascensão ao poder de seguidores de sua filosofia, como os ex-ministros Abraham Weintraub (Educação), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Ricardo Salles (Meio Ambiente), entre outros membros do primeiro escalão.

Sua influência foi tamanha que, no início do governo, chegava-se a dizer que a gestão Bolsonaro era dividida entre militares, políticos e seguidores de Olavo. O expurgo da ala olavista começou em meados de 2020, quando Bolsonaro se aproximou do Centrão e passou a se livrar do grupo, que se notabilizava por ataques ao Supremo Tribunal Federal e às instituições, o que gerava riscos de desestabilização institucional frequentes.

Na madrugada, o presidente Jair Bolsonaro lamentou a morte. “Nos deixa hoje um dos maiores pensadores da história do nosso país, o filósofo e professor Olavo Luiz Pimentel de Carvalho. Olavo foi um gigante na luta pela liberdade e um farol para milhões de brasileiros. Seu exemplo e seus ensinamentos nos marcarão para sempre”, escreveu o presidente.

Olavo, no entanto, vinha se distanciando da gestão Bolsonaro desde a guinada promovida pelo presidente no governo e chegou a dizer em dezembro passado que só votaria novamente em Bolsonaro em 2022 “por falta de alternativas”.

Seu discurso conservador, de direita e muitas vezes negacionista – principalmente em relação à vacina contra a Covid-19 (que não se sabe se ele tomou) –, também inspirou a movimentação da ala mais radical do bolsonarismo nas redes sociais. Na madrugada desta terça-feira, vários sites e perfis de direita lamentaram a morte do escritor. Olavo também tinha um curso de filosofia no YouTube, com milhares de alunos.

O pensamento de Olavo transita entre a filosofia, a teologia, a política e a crítica cultural. As abordagens que mais ganharam repercussão entre os seus seguidores brasileiros foram a repulsa à esquerda, o discurso conservador em relação a temas como família e propriedade e o combate ao que chamava de “marxismo cultural” e a uma orquestração globalista que visava destruir os valores ocidentais no mundo – um discurso em grande parte ligado ao pensamento da direita americana.

A família não deu informações sobre o velório e o enterro.

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês