Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Operação da PF mira o Consórcio Nordeste e atinge aliados de Lula

Ação apura a contratação de empresa para fornecer 300 ventiladores pulmonares; governadores próximos ao petista comandam a entidade desde a sua fundação

Por Da Redação Atualizado em 26 abr 2022, 10h03 - Publicado em 26 abr 2022, 09h51

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 24, a Operação Cianose, que investiga a contratação pelo Consórcio Nordeste de uma empresa para o fornecimento de 300 ventiladores pulmonares durante o pico inicial da pandemia de Covid-19 no Brasil.

O consórcio, formado pelos nove estados da região Nordeste, sempre foi alvo de acusações de bolsonaristas, principalmente na CPI da Pandemia, quando, diante do esforço da oposição para investigar os atos do governo federal, pediam que fossem apuradas as compras feitas pelos governadores nordestinos, que fazem oposição ao governo Jair Bolsonaro.

Segundo a PF, a compra dos equipamentos contou com diversas irregularidades, como o pagamento antecipado de seu valor integral, sem que houvesse no contrato qualquer garantia contra eventual inadimplência por parte da contratada. Ainda de acordo com a corporação, nenhum respirador foi entregue. O contrato tem valor de 45 milhões de reais.

Foram cumpridos quatorze mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, todos expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). As buscas contaram com a participação de auditores da Controladoria-Geral da União. Um dos alvos dos mandados é Bruno Dauster, ex-secretário da Casa Civil do governador da Bahia, Rui Costa (PT).

O Consórcio Nordeste foi presidido no período da pandemia pelo governador da Bahia, Rui Costa (PT) — de março de 2019, quando a entidade foi fundada, até setembro de 2020 — e pelo ex-governador do Piauí Wellington Dias, que hoje é um dos coordenadores da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência, de setembro de 2020 a janeiro deste ano. Agora, a entidade é comandada pelo governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), também aliado de Lula.

De acordo com a PF, os investigados podem responder pelos crimes de estelionato em detrimento de entidade pública (art. 171, § 3º, do Código Penal), dispensa de licitação sem observância das formalidades legais (art. 89, caput e parágrafo único da Lei de Licitações) e lavagem de dinheiro (art. 10, da Lei nº 9.613/98).

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)