Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O que pensa a velha guarda tucana da pré-candidatura de Doria

Nomes históricos do PSDB em diferentes estados se colocam contra a escolha do paulista como candidato ao Planalto, mas também há quem defenda, como FHC

Por Diogo Magri Atualizado em 23 Maio 2022, 09h36 - Publicado em 21 Maio 2022, 09h53

As reuniões realizadas pela cúpula do PSDB ao longo da última semana expuseram a crise interna do partido e a pressão para retirar a pré-candidatura de João Doria (PSDB), vencedor das prévias presidenciais em novembro último. Entre as vozes que pesaram contra o ex-governador de São Paulo, estão alguns “cabeças brancas”, tucanos históricos que há décadas são expoentes do partido em seus estados.

O suplente de senador por São Paulo José Aníbal é um que marca oposição interna a Doria desde que este foi eleito prefeito da capital paulista, em 2016. Aníbal declarou preferência por Eduardo Leite (RS) ou Tasso Jereissati (CE) como presidenciáveis da terceira via. “A equação de Doria não fecha: é alta rejeição e baixa intenção de voto”, afirma. Em fevereiro, o tucano já disse a VEJA que o ex-governador de São Paulo abriria mão da candidatura “se tivesse um átomo de sensatez”.

Outros descontentes com a pré-candidatura são Aloysio Nunes, ex-ministro de Fernando Henrique Cardoso, e Marconi Perillo, ex-governador de Goiás. Sem citar nomes, Perillo afirma que “cabe aos protagonistas entenderem suas limitações e abrirem o caminho para quem possa ajudar [na campanha nacional]”. Nunes foi além: declarou apoio, já no primeiro turno, a Luiz Inácio Lula da Silva (PT), por considerar o PSDB um partido sem rumo e unidade, comparando seu movimento ao feito pelo ex-governador Geraldo Alckmin (PSB), mais um tucano histórico que embarcou na chapa petista em 2022. Além de ministro de FHC, Nunes participou também do governo de Michel Temer (MDB) e foi, de 2011 a 2019, senador em São Paulo.

Mas posição contra Doria tampouco é uma unanimidade entre caciques. Arthur Virgílio Neto, outro ex-ministro de FHC e ex-senador pelo Amazonas, foi derrotado pelo paulista nas prévias presidenciais e defende o atual pré-candidato. “Se não, ninguém mais vai respeitar as prévias do PSDB”, afirma. A opinião do amazonense é corroborada pelo próprio Fernando Henrique Cardoso, que apoiou Doria através de sua rede social no sábado, 14, após carta enviada pelo pré-candidato em que acusou o partido de golpe.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)