Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O papel de Marina Silva na chapa de Fernando Haddad em SP

Rede, partido da ex-candidata à Presidência, tem planos de lançá-la como deputada federal para puxar votos, mas petistas veem potencial maior

Por Da Redação Atualizado em 5 abr 2022, 09h39 - Publicado em 4 abr 2022, 19h06

Com a transferência de seu título eleitoral para São Paulo e o acordo de seu partido, a Rede, para compor uma federação com o PSOL, o nome da ex-ministra Marina Silva entrou no radar de petistas paulistas como uma opção forte para uma candidatura ao Senado na chapa de Fernando Haddad (PT) ao governo paulista. O petista, que já tem apoio do PCdoB e ainda aguarda a posição do PSB  (ele tenta demover o partido a desistir de lançar Márcio França), tenta atrair também PSOL e Rede para uma coligação que garanta uma candidatura única da esquerda no estado.

Marina vem condicionando o apoio da Rede ao PT a um posicionamento mais claro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre uma agenda ambiental que alie desenvolvimento social com sustentabilidade, tema central de sua vida política. Mas ela também vem pregando uma união prioritária para derrotar o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o bolsonarismo.

A Rede tem planos de lançá-la como deputada federal, em uma estratégia de tê-la como puxadora de votos e livrar a sigla da extinção por causa da cláusula de barreira. É uma estratégia similar à do parceiro PSOL, que terá Guilherme Boulos como deputado federal – ele já declarou apoio pessoal a Haddad. Na visão de petistas, entretanto, Marina teria chances de vencer a disputa ao Senado no estado e, caso saísse, contaria com apoio tanto de Haddad quanto de Lula, que lideram as pesquisas de intenção de voto.

Marina, ex-candidata à Presidência em 2018, já foi senadora entre 1994 e 2011, eleita inicialmente pelo PT, mas ficou fora do cargo para ocupar posto de ministra do Meio Ambiente no governo Lula. Ela trocou a legenda em 2009 pelo PV, para se candidatar à Presidência pela primeira vez em 2010 — também disputou as eleições presidenciais de 2014 e 2018. Em 2015, foi uma das fundadoras da Rede.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.