Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O motivo de Lula ter deixado Gleisi de fora da equipe ministerial

'O papel dela hoje é tão ou mais importante do que qualquer outro cargo que possa ter no governo', disse o petista sobre presidente da sigla

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 29 dez 2022, 15h27

O anúncio da composição final dos ministérios do futuro governo de Luiz Inácio Lula da Silva, nesta quinta-feira, 29, deixou de fora uma importante aliada. A presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann, não ocupará, por ora, nenhum cargo na Esplanada, mas já recebeu de Lula uma urgente incumbência.

O presidente eleito declarou que tanto Jaques Wagner (PT-BA), que recebeu a liderança do governo no Senado, quanto Gleisi, terão funções estratégicas no futuro governo, sobretudo de articulação política. Lula sabe que terá dificuldades para aprovar medidas no Congresso e tenta ampliar a sua base com a destinação de ministérios a aliados do MDB, do PSD e do União Brasil.

“O Wagner, eu precisava dele no Senado, e a Gleisi, o partido precisa dela livre e solta para dirigir esse partido, que é o partido de esquerda mais importante da América Latina, o partido possivelmente mais democrático. E ela tem que trabalhar muito para costurar várias tendências que o nosso partido tem, e não é fácil. Mas ela faz isso com muita competência, e o papel que ela está exercendo hoje é tão ou mais importante do que qualquer outro cargo que possa ter no governo”, disse Lula.

Com influência crescente no partido que viveu períodos de turbulência nos últimos anos — desde a deflagração da Operação Lava Jato até a chegada ao poder de Jair Bolsonaro, passando pelo impeachment de Dilma Rousseff e a prisão de Lula –, Gleisi teve papel ativo na direção da legenda e na eleição de Lula, sendo cotada para sua sucessão em 2026.

Segundo interlocutores petistas, a presidente nacional do partido manifestou a Lula o desejo de chefiar uma pasta já no início do governo. O petista, no entanto, argumentou que a saída de Gleisi do comando da legenda em um momento em que o governo ainda está se firmando poderia dar início a uma disputa interna de poder. Ainda de acordo com aliados, a ideia é que Gleisi ganhe um importante cargo ministerial no final de 2023, quando deixará a presidência do PT.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.