Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O melancólico fim do partido que Bolsonaro tentou criar

Coleta de assinaturas foi desmobilizada ainda no ano passado; prazo para obter apoios acabou e processo teria de voltar à estaca zero

Por Da Redação
Atualizado em 16 Maio 2022, 16h52 - Publicado em 16 Maio 2022, 12h00

Teve fim em abril a empreitada da fundação do partido político do qual Jair Bolsonaro seria dono e presidente, o Aliança pelo Brasil. Anunciado com pompa ainda no primeiro ano de governo, após o presidente romper com PSL, o partido teve a criação desmobilizada ainda em meados do ano passado, e perdeu qualquer chance de ser concretizado após a filiação de Bolsonaro ao PL de Valdemar Costa Neto.

A avaliação é de que não há mais chance de o projeto ser retomado, nem mesmo para eleições no futuro, porque o custo político de um eventual novo fracasso é considerado grande demais. O prazo para apresentação das assinaturas se encerrou no dia 7 de abril, e uma nova tentativa precisaria começar da estaca zero.

O Aliança pelo Brasil tinha 183 mil assinaturas de apoio aprovadas, o que equivale a cerca de 40% das 492 mil necessárias para obter o registro partidário. Outros 150 mil apoiamentos estavam pendentes de apreciação, segundo o empresário Luís Felipe Belmonte, que encabeçou a operação para viabilizar a criação do Aliança e seria vice-presidente da agremiação. Ele próprio já buscou outro rumo – hoje é dirigente do PSC no Distrito Federal.

A Lei dos Partidos estipula um prazo de dois anos para a agremiação reunir todas as assinaturas, contados a partir da criação de um cadastro de pessoa jurídica, prazo que chegou a ser estendido por quatro meses por causa do fechamento de cartórios durante a pandemia de Covid-19. A criação do Aliança, porém, já estava desmobilizada. “Nós tivemos o primeiro problema, que foi dois anos de pandemia, eu tinha de coletar assinaturas, mas não podia sair à rua para isso”, conta Belmonte. “O presidente, até verificando essa dificuldade, pediu para parar esse processo.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.