Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O ex-aliado que virou o maior crítico da visita de Bolsonaro à Rússia

Base política radical influenciada por Olavo de Carvalho não vê com bons olhos a tradição de neutralidade do Brasil na arena internacional

Por Leonardo Lellis Atualizado em 16 fev 2022, 19h16 - Publicado em 16 fev 2022, 15h33

O ex-ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) voltou a criticar a visita de Jair Bolsonaro (PL), seu ex-chefe, ao presidente russo Vladimir Putin, nesta quarta-feira, 16. Para ele, a diplomacia brasileira erra ao priorizar questões comerciais em suas tratativas com outros países e não tomar partido em conflitos em defesa do que entende ser “valores” ocidentais.

Bolsonaro aceitou um convite feito por Putin no final do ano passado, antes de eclodir a crise com a Ucrânia que elevou as tensões da Rússia com Estados Unidos e Europa. Foi ao país negociar acordos para o fornecimento de fertilizantes e venda de carne brasileira.

“Quando você não tem uma estratégia para o que você quer no mundo, basta comprar e vender e tanto faz. Quando você não tem valores, você acha que vai ajudar os outros a resolver conflitos, mas esses conflitos são resolvidos por quem tem valores e se sentem parte da situação”, afirmou em um vídeo de 27 minutos publicado em seu canal no YouTube.

Para Ernesto, os ditos “valores” a que ele se refere estão em estado permanente de ameaça pela Rússia e China. Em seu metaverso particular, o país deveria se posicionar de maneira clara contra estes dois polos de influência. “O Brasil que poderia estar trabalhando a favor da liberdade vai estar sem trabalhar por ninguém e isso, no fundo, vai ser uma vantagem para o lado totalitário”.

À frente do Itamaraty, Araújo pautou a condução de sua política externa pelas teorias conspiratórias do escritor Olavo de Carvalho, priorizou relações com governos à imagem e semelhança de seu ideário ultraconservador e criou atritos com parceiros históricos até o ponto em que a sua permanência se tornou insustentável — foi substituído por Carlos França, que tenta retomar o pragmatismo.

O defeito que Araújo vê na “neutralidade” do Brasil na arena internacional é, na verdade, uma das mais estimadas tradições da diplomacia brasileira. A relevância histórica do país na área de relações internacionais foi delineada desde que o Barão do Rio Branco atuou para definir as fronteiras do país e teve momentos grandiosos como o papel de Oswaldo Aranha na Assem­bleia-Geral da ONU em 1947 que definiu a partilha da Palestina e abriu caminho para o Estado de Israel.

Fora do governo, Araújo foi cortejado pelo PTB de Roberto Jefferson, que, antes de ser preso, convidou o ex-diplomata para se filiar ao partido e se candidatar nas Eleições de 2022. Embora ainda não tenha respondido nem que sim nem que não, o ex-chanceler passou a considerar a ideia ao perceber que lhe restaram poucas opções na carreira diplomática. O convite do PTB, que trabalha para arregimentar bolsonaristas e se firmar como legenda conservadora, continua de pé.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês