Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O dia em que um piloto de helicóptero do PCC quis ficar longe de Adélio

Detido em presídio federal, autor de facada contra Bolsonaro dizia aos gritos que era membro da facção, o que nunca foi comprovado pelas investigações

Por Sérgio Quintella Atualizado em 1 jul 2022, 10h34 - Publicado em 28 jun 2022, 08h00

Desde o dia em que deu entrada na Penitenciária Federal de Campo Grande (MS), em 8 de setembro de 2018, dois dias depois do atentado contra o então candidato presidencial Jair Bolsonaro, em Juiz de Fora, Adélio Bispo já provocou diversas encrencas e confusões com agentes carcerários ou com seus companheiros de cadeia. Na atual edição de VEJA, a reportagem teve acesso a dezenas de cartas que ele enviou do cárcere, nas quais trata de assuntos diversos, da maçonaria a Jair Bolsonaro.

Um dos presos com quem Adélio se desentendeu foi Felipe Ramos de Morais, que é acusado de ser piloto de helicópteros da facção criminosa PCC e guiava a aeronave que levou o traficante paulista Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue. Na ocasião, Gegê foi alvo de uma emboscada por parte dos seus comparsas e morto a tiros em uma área remota de Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza. Desde que deu entrada em Campo Grande, Morais fez inúmeros pedidos para que ficasse bem longe da ala de Adélio. A solicitação foi, enfim, aceita.

Em um de seus surtos que geraram a insatisfação do piloto, Adélio gritou para todos ouvirem que havia se alinhado ao PCC e que, enfim, poderia concretizar sua intenção de matar o presidente Jair Bolsonaro. O caso virou uma sindicância interna e Adélio Bispo foi parar mais uma vez na solitária. A despeito das alegações de Adélio, a ligação dele com a facção criminosa nunca foi comprovada

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)