Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Nova edição do Mais Médicos não descarta a volta de cubanos

Promessa de campanha de Lula, programa será relançado na próxima gestão

Por Sérgio Quintella Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 dez 2022, 11h16 - Publicado em 8 dez 2022, 11h14

Alvo de críticas pela contratação de profissionais cubanos que não passaram pelo teste do Revalida no Brasil, o programa Mais Médicos será reeditado no país após a posse de Luiz Inácio Lula da Silva, no mês que vem. O assunto está sendo tratado no grupo de transição da Saúde, mas o retorno dos estrangeiros não será automático e tampouco será prioridade na gestão — mas não está descartado.

Estima-se que mais de 2.000 cidadãos de Cuba permaneceram por aqui depois da posse de Jair Bolsonaro, há quatro anos, e a maioria está na informalidade. “O número de médicos brasileiros é muito maior do que em 2013 e, com boas ofertas, vamos acabar lotando as vagas só com esses profissionais validados”, acredita o ex-ministro da Saúde Arthur Chioro, que participa da montagem do novo governo.

Problema antigo nas gestões públicas e privadas, a alocação de médicos nas regiões mais distantes pode, no entanto, abrir caminho para a contratação dos cubanos. “Se houver demanda de médicos em aldeias indígenas, por exemplo, onde muitos não querem trabalhar, podemos lançar mãos deles (médicos de Cuba), pois a lei nos autoriza”, diz Chioro.

No próximo sábado, 11,  a equipe da transição da Saúde vai entregar seu relatório ao vice-presidente eleito Geraldo Alckmin, coordenador geral dos trabalhos, com os diagnósticos de todos os estudos feitos no último mês. Foram mais de trinta reuniões com entidades, profissionais e especialistas no tema. Uma das maiores preocupações do grupo é com a falta de vacinas para o Programa Nacional de Imunizações (PNI) para o ano que vem. “Em 2015, as todas as vacinas aplicadas no país tinham níveis de cobertura acima de 95%. Hoje, nenhum imunizante chegou perto desse índice”, afirma o ex-ministro.

Continua após a publicidade

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.