Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Gleisi Hoffmann responde a jornalista hostilizada por petistas

Miriam Leitão escreveu sobre o episódio em que sofreu violência verbal em sua coluna desta terça-feira

Por Da redação Atualizado em 13 jun 2017, 15h25 - Publicado em 13 jun 2017, 12h27

A jornalista Miriam Leitão publicou em sua coluna desta terça-feira, no jornal O Globo, um texto em que narra um episódio de violência verbal sofrida durante um voo de Brasília ao Rio de Janeiro, no último sábado. Segundo a colunista, o ataque foi praticado por delegados do Partido dos Trabalhadores (PT) que voltavam do Congresso da sigla, na capital. Em nota, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que recentemente assumiu o comando do partido, afirmou “que esse comportamento não agrega nada ao debate democrático”, e a orientação para a militância sempre é “de não agredir qualquer pessoa por suas posições políticas, ideológicas ou por qualquer outro motivo”

Em seu texto, Miriam diz: “Fui ameaçada, tive meu nome achincalhado e fui acusada de ter defendido posições que não defendo”, escreve a jornalista. Segundo ela, o grupo que a agredia verbalmente era composto de 20 homens e mulheres adultos. Ao embarcar no avião, Leitão diz que todos estavam sentados em poltronas próximas a sua e as provocações foram do início ao fim do voo. “Foram duas horas de gritos, xingamentos, palavras de ordem contra mim e contra a TV Globo”.

A colunista relata ainda que ouviu gritos de “terrorista” partindo do grupo. “Pensei na ironia. Foi ‘terrorista’ a palavra com que fui recebida em um quartel do Exército, aos 19 anos, durante minha prisão na ditadura. Tantas décadas depois, em plena democracia, a mesma palavra era lançada contra mim”, conta.

Ao final, a jornalista criticou a falta de uma intervenção por parte do piloto e a omissão da companhia Avianca, responsável pelo voo, que não fez nada para evitar o que considerou um “flagrante desrespeito às regras de segurança”.

Continua após a publicidade

O PT – No texto publicado, Gleisi, apesar de lamentar a violência sofrida pela jornalista, diz que não pode “deixar de ressaltar que a Rede Globo, empresa para a qual trabalha a jornalista Miriam Leitão, é, em grande medida, responsável pelo clima de radicalização e até de ódio por que passa o Brasil”.

Depois de afirmar que ela, Gleisi, também já sofreu situações parecidas, a presidente do PT conclui a crítica às agressões contra Miriam Leitão: O “PT não fará com a Globo o que a Globo faz com o PT”.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)