Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Mesmo errando, Osmar Terra insiste em previsões ‘furadas’ em rede social

Ex-ministro da Cidadania ganhou um apelido pejorativo de seus colegas de Congresso por defender teses sobre a pandemia que não se sustentam

Por André Siqueira Atualizado em 7 jul 2020, 12h49 - Publicado em 7 jul 2020, 12h10

Ex-ministro da Cidadania e importante conselheiro do presidente Jair Bolsonaro para a área da saúde, o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) segue a sua sina de propagador de previsões e palpites que não se confirmam sobre a pandemia do novo coronavírus. Em seus perfis nas redes sociais, o parlamentar gaúcho, que é médico, coloca em xeque os efeitos do isolamento social e continua defendendo a hidroxicloroquina mesmo após a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter encerrado os estudos com o medicamento, dada a sua ineficácia em reduzir a mortalidade de pacientes infectados com a Covid-19.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz ()
Clique e Assine

No início de abril, Osmar Terra afirmou que a quarentena não possuía efeito prático para o achatamento da curva de contágio. Disse, ainda, em uma publicação no Twitter, que o Brasil chegaria ao pico da pandemia “antes do final de abril”. “No Brasil, onde estamos sendo submetidos a uma quarentena radical que destrói nossa economia e empregos, eu pergunto : onde está o achatamento da curva??!! Não existe. Com a quarentena ou não, chegaremos ao pico da epidemia antes do final de abril”, escreveu.

Duas semanas depois, ainda em abril, o parlamentar afirmou que os óbitos por coronavírus não Brasil não ultrapassariam o número de mortes registradas por gripe suína (H1N1) na epidemia que atingiu o país entre 2009 e 2010 e deixou 2.098 mortos. Até o final de abril, segundo dados do Ministério da Saúde, já haviam sido registrados mais de 4.200 mortes por Covid-19. Na segunda-feira, 6, o Brasil já contava mais de 65.000 mortes.

Continua após a publicidade

Dois meses depois, em junho, Osmar Terra fez uma nova estimativa sobre o número de mortes. Desta vez, contrariando o que havia dito em abril, afirmou categoricamente que a epidemia acabaria em junho. Na publicação, o ex-ministro destacou uma notícia que afirmava que a ocupação dos leitos de UTI havia caído na cidade de São Paulo. “A curva de contágio da Covid-19 já passou pelo pico e está caindo durante o mês de maio, como prevíamos. Todas as cidades mais afetadas registram quedas de internação diária. A trajetória do vírus ignorou a quarentena, não achatou curva alguma. Epidemia termina em junho”, escreveu. Como se sabe, Terra estava equivocado – mais uma vez.

No Congresso, as previsões equivocadas, a defesa de teses que não se sustentam e o não reconhecimento de seus erros renderam ao ex-ministro o apelido pejorativo de “Osmar Trevas”, um trocadilho com seu sobrenome. Vale destacar, ainda, que, na avaliação de aliados de Bolsonaro no Legislativo, o parlamentar gaúcho é raso tecnicamente e entra em debates ideológicos para agradar ao presidente, como VEJA mostrou ainda em fevereiro deste ano. Quando o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta foi demitido do Ministério da Saúde, Terra foi cotado para assumir o cargo.

Continua após a publicidade

Mesmo apesar de tantos tropeços estatísticos, Osmar Terra segue falando para os seus apoiadores em seu perfil no Twitter. Em julho, o deputado federal ainda tem feito publicações criticando o isolamento social e defendendo o uso da hidroxicloroquina.

“Mais isolamento social é igual a mais mortes”, diz em um post do dia 4 de julho. Nesta terça-feira, 7, o parlamentar replicou uma matéria de um site bolsonarista, conhecido por propagar notícias falsas, segundo o qual o prefeito de Campo Grande (MS), Marcos Trad, irmão do senador Nelsinho Trad (PSD-MS) e do deputado federal Fábio Trad (PSD-MS) e primo de Mandetta, “suplica por cloroquina” para “salvar vidas”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.