Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Mandato animal: candidatura coletiva quer levar pauta vegana ao Congresso

A empresária Monica Buava e o ativista Fábio Chaves lideram pré-candidatura pelo Partido Verde de São Paulo

Por Da Redação Atualizado em 27 jun 2022, 17h55 - Publicado em 27 jun 2022, 13h07

Uma dupla de ativistas se uniu para disputar as eleições deste ano e tentar levar discussões sobre veganismo ao Congresso Nacional. A empresária Mônica Buava, sócia-fundadora do restaurante Pop Vegan Food, e Fábio Chaves, fundador do portal Vista-se, dedicado ao tema, formam o Mandato Animal, uma pré-candidatura coletiva à Câmara dos Deputados por São Paulo pelo Partido Verde

As candidaturas coletivas ganharam força nas eleições de 2018 e no pleito municipal de 2020, mas ainda não são regulamentadas na legislação eleitoral brasileira. Um exemplo de caso vitorioso é a Bancada Ativista na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), liderada pela deputada Mônica Seixas (PSOL-SP). Há outros casos em Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais pelo país, mas na Câmara dos Deputados ainda não há nenhum mandato deste tipo — projetos de lei já foram propostos para autorizá-los. 

Como ainda não há regulamentação, só um nome aparecerá nas urnas em outubro, no caso, o de Mônica Buava. No entanto, se eleita, as decisões serão tomadas em conjunto com Fábio Chaves e um conselho formado por nutricionistas, chefs, influenciadores e ativistas. Um dos membros do Conselho Mandato Animal é o médico sanitarista Eduardo Jorge, candidato à Presidência da República pelo PV em 2014. 

“A nossa principal pauta é a questão dos animais. Nós falamos de todos os animais, não só de cães e gatos”, afirma Buava. “A defesa dos animais faz parte da pauta vegana, mas tem muitas outras, como o incentivo ao uso de proteínas vegetais, segurança alimentar, saúde pública e a questão dos objetivos do desenvolvimento sustentável”, explica. 

Para a empresária, a meta do mandato coletivo também é aumentar a diversidade na representatividade no Congresso. “A maioria dos deputados é de homens, brancos e héteros. Então, isso serve para tentarmos quebrar isso. Na realidade, todo mandato deveria ser coletivo, haja vista que o gabinete é do partido, não é do legislador. Cada vez mais as pessoas estão entrando num partido por questões estratégicas, e não por ideologia. A gente acredita que o mandato coletivo também acaba fortalecendo a ideologia partidária”, acrescenta. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)