Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Maduro rebate Reino Unido: ‘Causa da grotesca desapropriação colonial’

Presidente venezuelano republica mensagens de ministro com ataques ao país europeu

Por Da Redação
Atualizado em 8 dez 2023, 11h23 - Publicado em 8 dez 2023, 11h17

Em resposta à crítica que o secretário de Relações Exteriores do Reino Unido e ex-premier, David Cameron, fez na quinta-feira, 7, sobre as movimentações da Venezuela pela anexação de parte do território da Guiana, o presidente venezuelano Nicolás Maduro retuitou em seu perfil uma mensagem de um ministro de seu governo em que ele acusa o país europeu de ser a “causa da grotesca desapropriação colonial”. A Inglaterra participou diretamente das negociações que resultaram no desenho atual dos mapas dos dois países, em que a região de Essequibo consta como integrante da Guiana, antiga colônia inglesa.

“Que coragem! O Reino Unido é a causa da grotesca desapropriação colonial que a Venezuela e a Guiana herdaram. Ele foi o planejador e arquiteto da fraude processual arbitral de 1899. Retrógrada é a elite britânica que mantém reis, cortes e princesas no século XXI. São expansionistas e ladrões de territórios alheios por natureza. Eles carregam pirataria e arrogância em seus genes”, diz a mensagem originalmente publicada pelo ministro do Poder Popular para Comunas e Movimentos Sociais da Venezuela, Jorge Arreaza. No tuíte, ele cita o acordo que resultou na consolidação do mapa atual dos dois países.

Reino Unido classifica como ‘erro’ as ações de Maduro

Na quinta-feira, Cameron afirmou que não via “argumento para uma ação unilateral por parte da Venezuela” e classificou de “erro” as recentes movimentações de maduro no sentido de anexar o território, que é rico em petróleo e recursos minerais, ao mapa venezuelano. “Estas fronteiras foram estabelecidas em 1899. Não vejo absolutamente nenhum argumento para uma ação unilateral por parte da Venezuela; deve parar, é um erro”, disse o secretário, durante uma declaração conjunta com o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, em Washington.

Na ocasião, Cameron ainda elogiou a recente movimentação dos Estados Unidos, que anunciaram manobras militares na Guiana. Os exercícios militares americanos na Guiana foram classificados como “provocação” pelo governo de Maduro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.