Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Líderes evangélicos saem em defesa de Bolsonaro após prisão de pastores

Malafaia diz que comparar corrupção atual com as gestões do PT é 'uma piada'; Feliciano elogia governo, mas vê 'dia muito triste' para a igreja evangélica

Por Da Redação Atualizado em 22 jun 2022, 17h24 - Publicado em 22 jun 2022, 16h33

O pastor Silas Malafaia saiu em defesa do presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta quarta-feira, 22, após a prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro pela Polícia Federal por suspeita de corrupção. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, o religioso afirmou que foi um dos primeiros a pedir a apuração de possíveis irregularidades e o afastamento do então chefe da pasta.

Malafaia disse, porém, achar “estranha” a prisão de Ribeiro e dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, que seriam intermediários no esquema de irregular de distribuição de verbas do MEC, e não dos prefeitos, que supostamente teriam pago propina para receber dinheiro federal. “Cadê os prefeitos? Não tem prefeito suspeito? Corromperam quem?”, questionou.

Claramente exaltado, Malafaia também se irritou com as comparações de corrupção no governo Jair Bolsonaro, de quem sempre foi aliado, com a mesma prática nos governos do PT. “Só pode ser piada”, disse. “Nós denunciamos e nós queremos investigação séria, doa a quem doer. Agora querer comparar corrupção de governo do PT, a maior da história da nação. Bolsonaro está envolvido em que?”, acrescentou o pastor.

O deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), líder da bancada evangélica na Câmara, parabenizou o governo federal por agir contra as supostas irregularidades no MEC. O parlamentar não citou, porém, que Bolsonaro disse que colocaria “a cara no fogo” por Milton Ribeiro e defendeu o ministro na época. “Desde a minha primeira entrevista e declarações sobre esse triste episódio eu disse: Afasta-se, investiguem e se for culpado que seja exemplarmente punido ao rigor da lei. Parabéns ao governo do presidente Jair Bolsonaro que agiu assim!”, escreveu. 

O deputado Marco Feliciano (PL-SP) afirmou que o governo não compactua com “possíveis erros” e lembrou que a Controladoria-Geral da União (CGU) fez um relatório sobre o caso, mas lamentou a prisão dos pastores. “Hoje é um dia muito triste para a Igreja Evangélica de vertente Pentecostal. A prisão do pastor Gilmar Santos, pelo qual, como pregador da Palavra, sempre tive respeito e admiração, nos causa um profundo constrangimento. Nos resta apenas aguardar os desdobramentos”, declarou. 

A Polícia Federal prendeu Ribeiro, Arilton e Gilmar nesta quarta-feira, em uma operação batizada de “Acesso pago”. O ex-ministro foi exonerado do cargo em março, após um áudio em que admitiu que favorecia municípios indicados pelos pastores a pedido de Bolsonaro. Prefeitos também denunciaram pedidos de propina em troca do repasse de verbas para as cidades. Ele é acusado de corrupção passiva, advocacia administrativa, tráfico de influência e prevaricação.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)