Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Lewandowski autoriza mensagens de Deltan em ação de indenização a Lula

Em chats do Telegram, ex-procurador discutiu criação de fundo para arcar com eventuais indenizações na Justiça e citou caso do ex-presidente

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 5 abr 2022, 09h34 - Publicado em 4 abr 2022, 13h15

O ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski deferiu um pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e autorizou o compartilhamento de mensagens vazadas do celular do ex-procurador da República Deltan Dallagnol com a ação em que o petista pede indenização no caso do PowerPoint, que tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Em março, a 4ª Turma do STJ condenou o ex-procurador a indenizar Lula em 75.000 reais por causa da apresentação em que ele atribuiu ao ex-presidente a chefia do esquema de corrupção que atingiu a Petrobras.

As mensagens em questão, trocadas no aplicativo Telegram, foram hackeadas do celular de Deltan e apreendidas pela Polícia Federal na Operação Spoofing, em 2019. Lewandowski autorizou acesso ao conteúdo pelos advogados de Lula.

Nos diálogos que a defesa do petista pediu para remeter ao STJ, datados de 2017, Deltan discute com interlocutores a criação de um fundo, irrigado com dinheiro de suas palestras, para arcar com eventuais ações de indenização na Justiça. O assunto começou a ser debatido pelo ex-procurador da Lava-Jato nos meses seguintes ao protocolo da ação de indenização pela defesa de Lula, em dezembro de 2016. Nos chats, o então procurador demonstra cuidado para manter em segredo a real motivação do fundo, diz temer que ele fosse interpretado como “confissão de culpa” e cita diretamente a ação movida pelo ex-presidente (veja abaixo).

Diante da criação do fundo, como mostrou o Radar, os advogados do ex-presidente apontam possível “estelionato” de Deltan Dallagnol no recebimento de doações espontâneas para arrecadação de recursos que paguem a indenização determinada pelo STJ. As doações por meio de Pix ao ex-procurador chegaram a 575.000 reais, quando ele cancelou a chave para recebimento de valores. Deltan, que vai disputar a eleição a deputado federal no Paraná pelo Podemos, nega qualquer irregularidade.

Continua após a publicidade

Após a publicação desta reportagem, o ex-chefe da Lava Jato comentou a decisão de Lewandowski por meio de sua conta no Twitter. “Mais um absurdo! Decisão de Lewandowski abre caminho para Lula usar material criminoso para colocar a mão no dinheiro das suas doações”, escreveu a seus seguidores.

As mensagens de Deltan Dallagnol

Nas conversas, Deltan Dallagnol afirma que a criação do fundo envolvia motivações que ele preferia manter ocultas. “Cá entre nós (não conte nem pra sombra rs), o fundo é um meio de nos protegermos contra as ações de indenização que vieram/virão”, disse em diálogo com uma interlocutora, em junho de 2017. No mesmo chat, ele se mostra preocupado que a criação do fundo para custeio de indenizações judiciais pudesse ser interpretada como “confissão de culpa”. “A questão é a do fundo. Como manter intacto por mais de dez anos sem reconhecer que é pra ação e, com isso, ser uma espécie de confissão de culpa?”, indagou.

Em outras mensagens, Deltan Dallagnol atribui a criação do fundo especificamente à ação por danos morais movida por Lula em relação ao PowerPoint. “A questão é: todas as finalidades que não quero declarar expressamente (custeio da ação do Lula contra mim e eventual plano de futuro em off) estão abrangidos no texto, a seu ver?”, indagou a outro interlocutor, em janeiro de 2017. “Imagina eu ser condenado na ação do Lula a 1,5 milhão… não dá pra confiar que daqui a 15 anos o povo vai fazer um crowdfunding”, afirmou em outra conversa, em junho de 2017.

Continua após a publicidade

Ao se referir à criação do fundo, em publicação em sua conta no Facebook datada de 17 de junho de 2017, Deltan Dallagnol citou as motivações para tanto, mas não mencionou eventuais indenizações a que membros da Lava-Jato fossem condenados a pagar. “Os valores estão sendo destinados a um fundo que será empregado em despesas ou custos decorrentes da atuação de servidores públicos em operações de combate à corrupção, tal como a Operação Lava-Jato, para o custeio de iniciativas contra a corrupção e a impunidade, ou ainda para iniciativas que objetivam promover, em geral, a cidadania e a ética”, escreveu.

Em uma das trocas de mensagens em janeiro de 2017, que a defesa de Lula diz ter como interlocutores Deltan Dallagnol e Roberto Leonel, ex-auditor da Receita Federal, o ex-procurador se mostra interessado em saber sobre quais tributos incidiriam sobre valores recebidos por palestras. Neste caso, ele também cita diretamente Lula e o fato de que, até aquele momento, os valores que arrecadava nas palestras eram destinados à construção do hospital oncopediátrico Erasto Gaertner, em Curitiba.

“Roberto, depois de ter sido acionado pelo Lula, estou pensando em fazer um fundo de reserva a partir das palestras (o valor estava sendo doado diretamente pelas empresas para o Erasto Gaertner). Contudo, fazendo o fundo, ainda que me comprometa a doar o valor se não o usar, preciso recolher tributos como se fosse ficar comigo. Vc sabe me dizer que tributos incidem sobre palestras ou como descubro isso de modo seguro? Desculpe te incomodar com essa pergunta, mas confio muito no seu conhecimento e não podemos errar hoje. Peço para manter essa questão de modo reservado”, afirmou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.