Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Leite acompanha crise do PSDB à distância, mas ainda sonha com o Planalto

Segundo pessoas próximas, ex-governador gaúcho ainda espera ser chamado para disputar a Presidência, mas não fará nenhum gesto para desgastar mais Doria

Por Da Redação Atualizado em 18 Maio 2022, 13h10 - Publicado em 18 Maio 2022, 12h13

Em meio ao acirramento da crise interna no PSDB em torno da pré-candidatura do ex-governador paulista João Doria à Presidência da República, um nome relevante para o debate se manteve afastado da confusão: Eduardo Leite, ex-governador do Rio Grande do Sul e derrotado por Doria nas prévias presidenciais de novembro.

Na terça-feira, 17, membros da direção nacional do PSDB se reuniram em Brasília em reação à carta divulgada por Doria na qual o ex-governador de São Paulo acusava a cúpula tucana de tentar impedir a sua candidatura. No encontro, ficou claro que a maioria dos dirigentes nacionais tem resistência ao nome de Doria e aposta em um acordo com o MDB em torno da candidatura da senadora Simone Tebet.

Leite está em Porto Alegre, segundo pessoas próximas, trabalhando na construção de alianças políticas para a campanha de Ranolfo Vieira Júnior (PSDB), atual governador e pré-candidato tucano ao Palácio Piratini. Vieira Júnior era o vice da chapa em 2018 e herdou o cargo quando Leite renunciou, em 31 de março deste ano, já com a pretensão de se manter no páreo presidencial.

O tucano gaúcho não desistiu de ser o nome nacional da legenda. Eduardo Leite tem apoio de uma ala do partido para ser o presidenciável da terceira via e, em caso de desistência de Doria, aceitaria sem titubear um convite do PSDB para compor uma chapa com o MDB. Os apoiadores só garantem que ele não fará nenhum movimento para pressionar ainda mais o correligionário de São Paulo. “Não vai se envolver de maneira alguma [na disputa interna]. Só está assistindo pela TV”, disse um de seus conselheiros.

Uma prova de que o ex-governador gaúcho ainda pensa em concorrer ao Planalto é que, apesar da pressão do PSDB local, ele não cogita disputar o governo estadual. A avaliação de Leite é que isso seria um passo atrás em relação à renúncia ao cargo em abril (ele poderia ter disputado a eleição no cargo) e à promessa de que não tentaria a reeleição, feita há quatro anos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)