Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Lava-Jato: Prerrogativas rebate procuradores e pede ‘autocrítica sincera’

Grupo de advogados que apoiaram Lula afirma que a ANPR deveria desistir de recorrer contra a decisão de Toffoli que anulou acordos firmados pela operação

Por Da Redação
Atualizado em 8 set 2023, 18h42 - Publicado em 8 set 2023, 13h17

O Prerrogativas, grupo de advogados que apoiaram a candidatura presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, criticou a atitude da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) de recorrer contra a decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, que anulou vários atos da Lava-Jato e determinou a investigação dos responsáveis pela operação.

Em nota, o grupo diz que sempre combateu os desmandos e as ilegalidades da Operação Lava-Jato” e que é preciso “mais uma vez contestar narrativas acerca de fatos históricos que comprometeram a credibilidade de nossas instituições e nos envergonharam diante do mundo”.

“A decisão do ministro Toffoli é oportuna, corajosa e histórica, e reconhece o que grande parte da comunidade jurídica, em especial o Grupo Prerrogativas, já dizia desde o início da Operação Lava-Jato”, afirma. “Procuradores e juiz conduziram, de forma oficiosa e contra lei, negociações com autoridades estrangeiras, como se o Brasil fosse uma republiqueta qualquer, e desrespeitaram nossa soberania política e econômica, causando prejuízos incalculáveis à sociedade brasileira, reconhecidos inclusive pelo atual procurador-geral da República”, continua.

Para o grupo, a decisão de Toffoli “mostra a importância do direito em uma democracia. “Surpreende que associações de classe queiram manejar recursos sabidamente incabíveis, cujo objetivo parece nitidamente ser o de tumultuar e marcar posição juridicamente indefensável”, diz o Prerrogativas. “Em vez de as associações buscarem guarida em recursos sabida e notoriamente incabíveis e correrem o risco de litigância de má-fé, deveriam fazer uma forte e sincera autocrítica. A República agradeceria”, completa.

Continua após a publicidade

Recurso

Na quinta-feira 7, a ANPR anunciou que recorreria contra a decisão de Toffoli, que determinou a anulação das provas do acordo de leniência da Odebrecht, homologado em 2017, e a investigação dos procuradores que integraram a força-tarefa da operação. Na sentença, o ministro diz que a prisão de Lula foi “um dos maiores erros judiciários da história do país” e “uma armação fruto de um projeto de poder” de determinados agentes públicos.

Em uma longa nota, a ANPR afirmou que o acordo foi fruto de negociação válida, devidamente homologado pelo STF, e pediu que a discussão sobre a Lava-Jato “não se renda ao ambiente de polarização” e seja pautada por uma análise técnica e objetiva. “Não é razoável, a partir de afirmação de vícios processuais decorrentes da suspeição do juízo ou da sua incompetência, pretender-se imputar a agentes públicos, sem qualquer elemento mínimo, a prática do crime de tortura ou mesmo a intenção deliberada de causar prejuízo ao Estado brasileiro”, diz.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.