Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Bruno Ribeiro, Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Justiça do DF enterra de vez o caso do tríplex atribuído a Lula

Juíza Pollyana Martins reconheceu que o caso prescreveu e arquivou processo que rendeu prisão a Lula e acabou sendo anulado pelo Supremo

Por Leonardo Lellis Atualizado em 28 jan 2022, 12h21 - Publicado em 28 jan 2022, 11h40

Um dos processos judiciais mais rumorosos da história recente foi encerrado definitivamente: o caso do tríplex do Guarujá, que rendeu a condenação e prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Operação Lava-Jato, foi arquivado. A decisão é da juíza Pollyana Martins, da 12ª Vara Federal do DF. Depois que o Supremo Tribunal Federal reconheceu a nulidade do processo por entender que o ex-juiz Sergio Moro agiu com suspeição, o Ministério Público Federal manifestou-se pelo arquivamento em razão da extinção da punibilidade de Lula e outros réus na ação.

“A prescrição ora reconhecida decorre da anulação promovida pelo Supremo Tribunal Federal de todos os atos praticados pelo então juiz federal Sérgio Fernando Moro. Registro que uma vez anulados todos os atos praticados, tanto os da ação penal como da fase pré-processual, foram tornados sem efeito todos os marcos interruptivos da prescrição”, escreveu a magistrada. No ano passado, a juíza já havia rejeitado a reabertura do caso do “sítio de Atibaia”. 

A defesa do ex-presidente reitera que o encerramento definitivo do caso reforça que ele serviu para que alguns membros do sistema de Justiça perseguissem Lula com objetivos políticos. “O STF reconheceu a parcialidade do ex-juiz Sergio Moro nesse caso e em outros em que ele atuou contra Lula, tal como demonstramos desde a primeira defesa escrita apresentada, e, como consequência, declarou a nulidade todos os atos – reconhecendo que o caráter ilegal e imprestável da atuação de Moro em relação ao ex-presidente”, afirmam os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês