Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Justiça decide que advogado da família Bolsonaro não ameaçou jornalista

Repórter acionou a Justiça em 2021 depois de receber mensagem de Frederick Wassef com suposto teor de ameaça. Para juiz, advogado manifestou opinião

Por Da Redação
Atualizado em 10 jun 2022, 18h16 - Publicado em 10 jun 2022, 17h41

A Justiça de São Paulo considerou que uma mensagem enviada pelo advogado Frederick Wassef, ligado à família Bolsonaro, a uma jornalista não configurou ameaça, como ela havia alegado. Em decisão desta quinta-feira, 9, o juiz Fabio Coimbra Junqueira, da 6ª Vara Cível, atendeu parcialmente o pedido da jornalista para determinar que Wassef a indenize em 10 000 reais por ter feito, em uma troca de mensagens, insinuações sobre a vida privada dela. Mas, ao mesmo tempo, o juiz mandou a jornalista indenizar o advogado, também em 10 000 reais, por ela ter publicado a conversa, que se deu em caráter privado.

O caso se refere a uma mensagem enviada por Wassef, em julho de 2021, à jornalista do UOL Juliana Dal Piva, que fazia uma série de reportagens sobre as suspeitas de “rachadinha” envolvendo o presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus familiares na época em que ele era deputado. Para a jornalista, um trecho da mensagem do advogado configurou ameaça velada, quando ele disse: “Faça lá (na China) o que você faz aqui no seu trabalho, para ver o que o maravilhoso sistema político que você tanto ama faria com você. Lá na China você desapareceria e não iriam nem encontrar o seu corpo”. Para o juiz, no entanto, a mensagem foi uma mera expressão da opinião de Wassef em relação ao comunismo.

O magistrado condenou ambos a se indenizarem, mas determinou que a jornalista pague, a título de honorários de sucumbência, uma quantia maior à defesa de Wassef, devido à divulgação da mensagem que deveria ser privada. Dal Piva afirmou à Justiça que divulgou o texto, em uma matéria jornalística, justamente porque, em seu entendimento, ele tinha a finalidade de provocar temor a ela, de modo a cercear seu direito de liberdade de imprensa e liberdade de expressão. Cabe recurso da decisão.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.