Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Justiça adia decisão sobre júri popular para assassinos de Dom e Bruno

Advogados dos réus argumentaram que a 3ª Turma Federal não poderia apreciar o caso

Por Victoria Bechara Atualizado em 9 Maio 2024, 12h04 - Publicado em 23 abr 2024, 17h26

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) retirou da pauta desta terça-feira, 23, a análise de um recurso que decidiria se os pescadores acusados de matar o jornalista britânico Dom Phillips e o indigenista Bruno Pereira iriam a júri popular. O julgamento foi adiado após pedido da defesa. Ainda não há uma nova data.

Em outubro de 2023, a Justiça Federal de Tabatinga (AM) decidiu pela pronúncia dos réus Amarildo da Costa Oliveira, Oseney da Costa de Oliveira e Jefferson da Silva Lima — ou seja, o caso seria analisado pelo Tribunal do Júri. O juiz responsável considerou suficientes as provas de materialidade dos homicídios e ocultações dos cadáveres. A defesa recorreu.

O julgamento do recurso estava marcado para hoje, mas os advogados dos pescadores argumentaram que a 3ª Turma Federal não poderia apreciar o caso. “Argum​entou-se que a 3ª Turma Federal, responsável pela apreciação do caso, não seria a instância correta, uma vez que o processo já havia recebido decisões prévias da 4ª Turma Federal. O Desembargador Federal Ney Bello determinou a retirada do julgamento da pauta, a fim de avaliar o pedido apresentado pela defesa”, informaram os advogados em nota.

Bruno e Dom foram mortos em 5 de junho de 2022, no Vale do Javari, no Amazonas. Amarildo, Oseney e Jefferson estão presos pelos assassinatos. Amarildo e Jefferson confessaram o crime, mas alegam que foram ameaçados por Bruno e agiram em legítima defesa. Já Oseney nega envolvimento no caso.

Continua após a publicidade

Ruben Dario da Silva Villar, o “Colômbia”, também está preso e foi indiciado pela Polícia Federal como suposto mandante dos crimes, mas o Ministério Público Federal não apresentou denúncia até o momento. Em janeiro, um homem apontado como seu informante e aliado também foi preso.

Como VEJA mostrou, a investigação do caso ainda não terminou. A PF tenta avançar na apuração sobre o funcionamento da organização criminosa chefiada por Colômbia, esmiuçando suas conexões com servidores públicos e políticos locais. A instituição chegou a pedir o indiciamento do ex-chefe da Funai, Marcelo Xavier, e do vice, Alcir Amaral Teixeira, por homicídio qualificado e ocultação de cadáver, em razão de omissão no caso de Bruno e Dom.

As investigações contra os dois foram suspensas por decisão do desembargador Ney Bello — o mesmo responsável pelo adiamento do julgamento desta terça-feira.

Continua após a publicidade

 

 

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.