Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Heleno se nega a comentar fala de Eduardo sobre AI-5: ‘Vai me torturar?’

Ministro do GSI, ouvido nesta terça em comissão da Câmara, foi questionado pela deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP)

Por André Siqueira 6 nov 2019, 17h43

Convidado para falar na Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia sobre o monitoramento de movimentos sociais, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, se negou a repudiar as declarações do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) sobre a edição de um “novo AI-5”, ato institucional assinado pelo então presidente general Costa e Silva em dezembro de 1968 e que aumentou a repressão da ditadura, com o fechamento do Congresso, proibição de sindicatos e suspensão de direitos e garantias individuais.

Augusto Heleno foi instado pela deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) a comentar a fala do filho do presidente Jair Bolsonaro. “O senhor ainda não se pronunciou sobre as declarações do deputado Eduardo Bolsonaro, não teve a oportunidade de repudiar a fala dele. Eu gostaria de pedir para que o senhor fizesse isso, senão vai me parecer letra morta”, disse Sâmia, que ressaltou que a ditadura foi responsável pela perseguição e tortura de milhares de pessoas.

Em sua resposta, o ministro afirmou que ele e Samia possuíam “visões diferentes da história”. “Para a senhora, foi um golpe. Na minha opinião, foi uma contrarrevolução, e, para mim, isso é uma obviedade. Se não houvesse contrarrevolução, seríamos uma grande Cuba”, disse.

Sâmia, então, afirmou, com o microfone desligado, que o ministro não havia respondido ao seu questionamento. “Não vou repudiar porque ele [Eduardo] repudiou. Ele disse que falou uma coisa que não é o que ele pensa. Preciso falar mais alguma coisa? Não, não vou falar. Vai me desculpar, mas não vou falar. A senhora vai me torturar?”, rebateu o general. Após o questionamento irônico do ministro, houve risos de parlamentares apoiadores do governo e reclamações de opositores.

Em entrevista à jornalista Leda Nagle divulgada na quinta-feira 31, Eduardo Bolsonaro afirmou que se a esquerda no Brasil “radicalizar”, uma resposta possível é a edição de “um novo AI-5”. A declaração foi dada quando ele foi questionado a respeito dos protestos no Chile e a eleição do kirchnerista Alberto Fernández na Argentina.

“Vai chegar um momento em que a situação vai ser igual ao final dos anos 60 no Brasil, quando sequestravam aeronaves, quando executavam e sequestravam grandes autoridades, cônsules, embaixadores, execução de policiais, de militares. Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E a resposta, ela pode ser via um novo AI-5, via uma legislação aprovada através de um plebiscito, como aconteceu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada”, afirmou o parlamentar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês