Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Flávio desafia CPI a convocar Malafaia: ‘Esse influencia o presidente’

Filho do presidente, que tem participado da comissão mesmo sem ser membro, relatou que pastor evangélico fala quase todos os dias com Bolsonaro

Por Redação Atualizado em 20 Maio 2021, 15h15 - Publicado em 20 Maio 2021, 13h16

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho Zero Um do presidente Jair Bolsonaro, fez uma provocação à CPI da Pandemia nesta quinta-feira, 20. Ironizando as perguntas que têm sido feitas por colegas ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello sobre o aconselhamento paralelo a Bolsonaro em meio à pandemia, Flávio desafiou a comissão a aprovar a convocação do pastor Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo. Segundo ele, Malafaia fala quase todos os dias com Bolsonaro e tem influência sobre o presidente. “Quero ver se vai ter coragem”, disse o senador fluminense.

LEIA MAIS: Flávio Bolsonaro se posiciona para ser cão de guarda de Pazuello na CPI

A provocação de Flávio Bolsonaro, que não é membro da CPI, mas tem atuado como um agitador no plenário da comissão em defesa do Palácio do Planalto, foi feita em meio à manifestação do senador governista Marcos Rogério (DEM-RO). Rogério havia citado o vereador carioca Carlos Bolsonaro, o Zero Dois, e deu a deixa para Flávio.

“Eu quero sugerir aqui ao senador Marcos Rogério, toda hora falam aqui de família, até ministro sendo acusado de dar aconselhamento paralelo ao presidente, por incrível que pareça. Agora, se querem ouvir alguém que dá conselho ao presidente da República, vou dar um nome: chama o pastor Silas Malafaia aqui, esse fala quase diariamente com o presidente e influencia o presidente. Chama ele aqui e vê se influenciou alguma coisa nas políticas públicas”, desafiou.

O senador do DEM, em seguida, disse que apresentaria o requerimento à CPI. “Vou apresentar um requerimento convocando o pastor Silas Malafaia à comissão. Porque se fala tanto de gabinete paralelo que, declinado o nome aqui, vou apresentar para convocação aquele que, segundo Flávio diz, é um dos que compõem esse time que aconselha o presidente”.

Embora seja uma ironia à CPI, a declaração de Flávio Bolsonaro acabou por demonstrar como funciona a dinâmica de influências em torno de Bolsonaro em meio à pandemia, em detrimento do Ministério da Saúde. Enquanto o pastor evangélico fala quase todos os dias com o presidente, o próprio general Pazuello disse ontem à comissão de senadores que, à época de ministro, se reunia com Bolsonaro a cada uma ou duas semanas. As agendas “complicadas” dos cargos foram a justificativa apresentada pelo militar, que tem blindado o presidente em sua oitiva.

+ ‘Uma vergonha para o país’, diz Malafaia sobre candidatura de Lula

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)