Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Exemplo de tratamento precoce’, Porto Feliz teve alta de mortes por Covid

Citada nas redes como lugar onde deu resultado o uso de medicamentos com eficácia não comprovada, cidade teve mais mortes e casos neste ano do que em 2020

Por Camila Nascimento Atualizado em 25 mar 2021, 21h00 - Publicado em 24 mar 2021, 15h16

Citada principalmente pelos bolsonaristas com frequência nas redes sociais como exemplo de localidade onde o uso do chamado “tratamento precoce” contra a Covid-19 alcançou resultados positivos, o município de Porto Feliz, na região de Sorocaba, interior de São Paulo, registrou mais mortes em razão da doença neste primeiro trimestre do que em todo o ano passado.

A cidade teve até agora 47 mortos pelo novo coronavírus e 5.221 pessoas contaminadas. Segundo boletins epidemiológicos da prefeitura, mais da metade desses registros ocorreram neste ano: foram 24 mortes e 2.939 casos registrados até esta quarta-feira, 23.

A apologia ao tratamento precoce virou uma das principais bandeiras do presidente Jair Bolsonaro, que voltou a defender a medida em pronunciamento na manhã desta quarta-feira, após reunião com governadores, ministros e os presidentes do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Nas redes sociais, defensores do tratamento precoce passaram a citar Porto Feliz como um exemplo no combate à Covid-19. Mas o município, além de ter registrado mais mortes e casos em 2021 do que em todo o ano passado, também tem o seu sistema de saúde atuando perto do limite — 11 dos 14 leitos de UTI para Covid-19 estavam ocupados nesta quarta-feira.

O prefeito Cássio Prado (PTB), que é médico, passou a adotar o kit Covid-19 — que consiste no uso de medicamentos como hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina, todos sem eficácia comprovada contra a doença — no final de março do ano passado, ainda no início da pandemia e antes de o Ministério da Saúde indicar o tratamento precoce para casos leves, em maio.

Continua após a publicidade

A informação que circula nas redes sociais de que cidade teria tratado precocemente toda a população é falsa. Em um vídeo do ano passado, que voltou a circular, o prefeito diz tratar com ivermectina por sete semanas os familiares e pessoas que tiveram contato com alguém infectado. Prado também afirmou, sem apresentar evidências, que até aquele momento das mais de 4.500 pessoas que receberam os medicamentos do tratamento precoce, “nenhuma evoluiu para a Covid-19”. Segundo ele, os profissionais de saúde foram orientados a tomar os remédios, mesmo não havendo comprovação científica de eficácia ou estudos sobre os seus riscos. 

Nos últimos quatorze dias, a taxa de casos por 100 mil habitantes em Porto Feliz foi de 827,9, muito acima da média do estado de São Paulo no mesmo período, que foi de 443,3 — o índice de letalidade, no entanto, é de 1%, inferior à média estadual (2,9%).

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês