Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Em novo cerco à Igreja Universal, governo de Angola tira a TV Record do ar

Ligada ao bispo Edir Macedo, direção brasileira da instituição vem acumulando derrotas em decisões do governo e da Justiça do país africano

Por Eduardo Gonçalves Atualizado em 20 abr 2021, 13h05 - Publicado em 20 abr 2021, 12h52

O governo de Angola resolveu apertar o cerco contra a Igreja Universal do Reino de Deus, que mantém forte influência no país como um conglomerado religioso e midiático. Após determinar o confisco de templos e a deportação de pastores brasileiros, as autoridades decidiram agora suspender as atividades da TV Record afiliada da matriz brasileira no país africano. A decisão vale a partir da 0h desta quarta-feira, dia 21.

O anúncio foi feito pelo Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social. Segundo o comunicado, a Record descumpriu a legislação angolana ao manter na função de diretor-executivo da empresa um cidadão não angolano. Além disso, também manteve em seu quadro estrangeiros que não se encontram credenciados no Centro de Imprensa do país. Com isso, o registro foi cassado de forma provisória “até à sua regularização junto à Direção Nacional de Informação e Comunicação Institucional”.

Fundada e comandada pelo bispo Edir Macedo, a Igreja Universal enfrenta uma verdadeira batalha em Angola dividida entre uma ala formada por maioria brasileira ligada a Macedo e a outra de maioria angolana encabeçada por pastores da igreja. O movimento começou em novembro de 2019, quando centenas de líderes angolanos se rebelaram contra a administração brasileira e tomaram alguns templos pelo país.

Desde 2019, a Procuradoria-Geral da República de Angola resolveu intervir no conflito interno e move uma investigação contra a Igreja Universal sob as acusações de discriminação racial, abuso de autoridade, exigência de castração química e evasão de divisas. Enquanto as apurações não são concluídas, a PGR chegou a determinar o fechamento dos templos, em agosto de 2020, como medida mais drástica.

Em fevereiro deste ano, as catedrais reabriram, mas sob nova liderança — o bispo angolano Bezerra Luís foi aclamado pela ala dissidente como o novo líder e os antigos diretores ligados à igreja brasileira foram destituídos. Os brasileiros tentam na Justiça derrubar essa assembleia, consideram-se vítimas de um golpe e de xenofobia, e alegam que estão sob risco de expulsão do país.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)