Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Eduardo Leite: ‘Polarização está difícil de ser rompida, mas há espaço’

Ex-governador em busca da reeleição falou a VEJA sobre desafios da campanha, percalços na aliança com o MDB e polarização nacional

Por Diogo Magri Atualizado em 4 jul 2022, 12h58 - Publicado em 3 jul 2022, 13h19

Eduardo Leite (PSDB) vive a singular missão em 2022 de tentar a reeleição como ex-governador do Rio Grande do Sul. O tucano, eleito em 2018 para o mandato no Palácio Piratini, renunciou em 31 de março pensando na possibilidade de se candidatar à Presidência da República, mesmo após ter perdido as prévias presidenciais do partido para João Doria. A descompatibilização a seis meses da eleição é exigida pela lei eleitoral. Mas, ao não conseguir se viabilizar nacionalmente, Leite optou pela tentativa do segundo mandato gaúcho – ainda que tenha se declarado publicamente contra a reeleição.

Além do esforço para justificar sua briga pela reeleição enquanto é contrário à mesma, Leite também precisou lidar com críticas por ter recebido uma pensão de 19,6 mil reais nos meses após ter deixado o governo. O valor é um direito que ex-governadores têm no estado, mas foi revogado por uma lei sancionada pelo próprio em 2021 – ainda que só valha para o mandato seguinte.

A VEJA, o tucano também falou com exclusividade sobre os desafios da campanha e como o desentendimento entre MDB e PSDB no estado tem motivado discussões entre as direções nacionais dos dois partidos.

Por que decidiu se candidatar mesmo sendo contrário à reeleição? Sou contra a reeleição pela interferência que a campanha tem no mandato. Como eu renunciei, não há risco de contaminar o governo com interesses eleitorais. A crítica nunca significou ausência de desejo de continuar o trabalho.

Então seu plano A ao renunciar já era se candidatar ao governo? Era estar disponível para onde eu pudesse contribuir. Ainda existiam discussões em plano nacional mas, se o plano fosse concorrer à Presidência, eu teria trocado de partido. Não era sobre ser candidato ou não à Presidência, era sobre ter condições, pela lei eleitoral, de participar do debate político.

Continua após a publicidade

“Sou contra a reeleição pela interferência que a campanha tem no mandato. Como eu renunciei, não há risco de contaminar o governo com interesses eleitorais”

A campanha começou mal, com o senhor sendo criticado por ganhar uma pensão como ex-governador. Eu recebi o que a lei determinava. Nos primeiros meses não fui criticado, mas virou um ataque eleitoral a partir do momento em que virei pré-candidato. Preferi abrir mão do valor para não deixar haver narrativas mentirosas.

O desacordo gaúcho entre MDB e PSDB, por enquanto com campanhas separadas no estado, tem sido uma pedra no sapato da chapa nacional entre os partidos. Como o senhor avalia esse momento? O MDB é uma aliança possível e interessante para nós, mas que ainda não foi acertada no Rio Grande do Sul. Se a chapa não for conjunta, isso revela uma fragilidade da composição nacional. Precisamos admitir que pode não ser possível furar a polarização entre Lula e Bolsonaro e, se isso acontecer, serão necessários pilares de sustentação de um contraponto qualificado nos estados. Não é uma simples contrapartida (pelo PSDB ter aberto mão da candidatura nacional para apoiar Simone Tebet), é algo que está dentro da filosofia da coisa toda.

‘O MDB é uma aliança possível e interessante para nós, mas que ainda não foi acertada no RS. Se a chapa não for conjunta, isso revela uma fragilidade da composição nacional”

Pelo outro lado, como as dificuldades da terceira via em furar a polarização vão afetar sua campanha estadual? Eu tenho uma vantagem no Rio Grande do Sul que é já ser conhecido. A eleição nacional está com uma polarização difícil de ser rompida, mas há espaço. Os votos do Lula significam mais uma tolerância a ele para tirar Bolsonaro do que uma aceitação. Caberá a quem representa alternativas a capacidade de sensibilizar esse eleitor. Simone Tebet é qualificada nessa direção, assim como Ciro Gomes (PDT), Luciano Bivar (União Brasil), Luiz Felipe d’Avila (Novo)…

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)