Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Eduardo Bolsonaro repete Le Pen e minimiza triunfo da esquerda na França

Espécie de porta-voz internacional da direita brasileira, filho do ex-presidente Jair Bolsonaro diz que país europeu 'se afundará numa crise ainda maior''

Por Victoria Bechara Atualizado em 8 jul 2024, 13h04 - Publicado em 8 jul 2024, 12h33

O deputado Eduardo Bolsonaro (PL-SP), um dos principais porta-vozes da direita brasileira no exterior, afirmou nesta segunda-feira, 8, que a direita não perdeu na França, só “adiou sua vitória”. A frase é semelhante à usada por Marine Le Pen, líder do partido Reunião Nacional (RN), ao reconhecer a derrota. 

“A direita na França não perdeu, só adiou sua vitória. Extrema esquerda se fortaleceu e já fala em reconhecer a Palestina, revogar reformas tíbias feitas por Macron e acelerar no socialismo. Resultado: França se afundará numa crise ainda maior e aí virá Le Pen”, escreveu o filho do ex-presidente em seu perfil no X. 

Em uma virada histórica, a Nova Frente Popular, aliança entre partidos de esquerda, venceu as eleições legislativas na França neste domingo, 7, e conseguiu entre 172 e 192 assentos na Assembleia Nacional (equivalente à Câmara dos Deputados), segundo as projeções. O Juntos, coalizão centrista do presidente Emmanuel Macron, ficou em segundo lugar. 

O partido de Le Pen conquistou a maioria dos votos no primeiro turno, mas terminou em terceiro lugar na votação deste domingo. “A maré está subindo. Não subiu o suficiente desta vez, mas continua a subir, e por isso nossa vitória foi só adiada”, disse. Ao longo da semana, mais de 200 candidatos centristas e de esquerda desistiram da disputa para tentar impedir a vitória da extrema-direita. 

Continua após a publicidade

https://x.com/BolsonaroSP/status/1810315505418539161

Silêncio

Eduardo foi um dos únicos representantes do bolsonarismo a se manifestar sobre o assunto. Outros parlamentares fizeram postagens sobre a presença do presidente da Argentina, Javier Milei, no congresso conservador (CPAC) em Balneário Camboriú, mas ignoraram a derrota na França.

A deputada Bia Kicis (PL-DF) compartilhou uma postagem que acusa o líder da esquerda francesa, Jean-Luc Meléchon, de antissemitismo. “Graças ao conluio marxista nas eleições francesas, o país poderá ter um primeiro-ministro radical, antissemita, defensor do Hamas e de tudo que não presta no planeta. Jean-Luc Mélenchon: o traste ordinário que se recusou a usar o termo terrorismo para se referir aos ataques do Hamas em Israel”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.