Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Disputa pela única vaga de senador em SP promete ser acirrada em 2022

Entre os nomes especulados, estão os do apresentador José Luiz Datena, da deputada recordista de votos Janaina Paschoal e de três ex-governadores do estado

Por Da Redação Atualizado em 16 jul 2021, 11h28 - Publicado em 16 jul 2021, 11h24

A disputa pela única vaga que São Paulo terá no Senado na eleição de 2022 promete ser uma das mais acirradas do país, em um cenário bem diferente do verificado em 2014, quando havia apenas dois candidatos competitivos no páreo — José Serra (PSDB) levou, com 58,5% dos votos, seguido por Eduardo Suplicy (PT), com 32,5%.

Em 2022, no entanto, além do próprio Serra, que deve tentar a reeleição, a disputa terá outros candidatos com bons potenciais eleitorais, como o apresentador de TV José Luiz Datena, que se filiou ao PSL, partido que já tem Janaina Paschoal como candidata – em 2018, ela se tornou a deputada mais votada da história do país.

A depender do racha que se anuncia no PSL paulista – há uma possibilidade de os bolsonaristas deixarem ou serem expulsos do partido –, a deputada federal Carla Zambelli também poderá se lançar candidata ao Senado.

Também deverá haver ao menos um candidato de esquerda competitivo na corrida, que pode ser Eduardo Suplicy, que tem batido na trave nas últimas duas disputas para voltar ao Senado, onde esteve entre 1991 e 2015, por três mandatos consecutivos. Ele foi o segundo em 2014 (quando havia uma vaga em disputa) e terceiro em 2018 (quando havia duas). Outro nome cogitado é o de Aloizio Mercadante, que foi senador entre 2003 e 2011.

Há possibilidade ainda de o ex-governador Márcio França (PSB), disputar a vaga, a depender das articulações para a candidatura ao governo, que ele também pode tentar novamente – em 2018 foi ao segundo turno contra João Doria (PSDB).

Também dependendo das articulações ao governo, outro que pode entrar na disputa ao Senado é o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), mas essa possibilidade é remota, porque ele também tem como prioridade a volta ao Palácio dos Bandeirantes, que comandou por quatro mandatos — nesse caso, provavelmente por outro partido.

Pesquisa

Na última pesquisa feita para o Senado, pelo Ipespe, entre os dias 28 de junho e 1º de julho, Datena aparece em primeiro, com 23%, quase empatado na margem de erro (de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos) com Márcio França (16%). Na sequência, vêm o ex-governador José Serra (10%), Aloizio Mercadante, do PT (9%), Carla Zambelli (9%) e Janaina Paschoal (6%).

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)