Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Deltan promete pagar Lula, mas ainda avalia como prestar contas de doações

Ex-procurador e pré-candidato disse que recebimento de dinheiro em conta é iniciativa 'inédita' e 'espontânea'

Por Leonardo Lellis 24 mar 2022, 11h01

Condenado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) a pagar 75 mil reais de indenização ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) por danos morais, o ex-procurador Deltan Dallagnol ainda avalia maneiras de prestar contas dos mais de 300 mil reais que diz ter recebido em doações em sua conta bancária após a condenação no caso do PowerPoint.

Embora destaque que vá recorrer da sentença, o ex-coordenador da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba disse que irá cumprir a decisão de indenizar Lula se a Justiça confirmar a decisão da 4ª Turma do STJ. Segundo ele, o excedente (ou o total, caso obtenha êxito no recurso) será doado a hospitais.

Em meio a mensagens de apoio de seus seguidores no Twitter à iniciativa, outros usuários da rede social levantaram dúvidas sobre a declaração da origem do dinheiro e o eventual uso do montante em campanha. Deltan deixou o Ministério Público Federal e é pré-candidato a deputado federal pelo Podemos no Paraná — de quem recebe 15 mil reais mensais de salário.

Questionada pela reportagem, a assessoria do ex-procurador respondeu que será dada “plena transparência para o valor recebido e sua destinação”. “Como o que aconteceu foi totalmente inédito e espontâneo, então estamos analisando a melhor forma de fazer isso, assegurando uma prestação de contas pública, honesta e clara.”

Continua após a publicidade

Diálogos interceptados por hackers e vazados na imprensa mostram que, enquanto era procurador, Deltan arrecadou ao menos 580 mil reais com palestras. Segundo mostrou reportagem do jornal Folha de S.Paulo e o site The Intercept Brasil em 2019, os contratos foram alterados para tirar entidades filantrópicas como destino automático do dinheiro arrecadado.

Em processo disciplinar a que respondeu no Conselho Nacional do Ministério Público em 2017, Deltan respondeu que o dinheiro era destinado ao custeio de iniciativas contra corrupção. A Corregedoria do CNMP concordou com as alegações do então procurador e arquivou o processo. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.