Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

De volta ao passado: PSDB caminha para dois retrocessos em sua história

Se for vice do MDB na eleição presidencial, o partido viverá uma situação que vai contra a sua trajetória

Por Da Redação Atualizado em 24 Maio 2022, 15h17 - Publicado em 24 Maio 2022, 15h16

Com a desistência do ex-governador paulista João Doria de disputar a eleição para presidente da República após constatar que não teria apoio no PSDB, o partido se encaminha para uma situação na atual corrida eleitoral que poderá comportar dois ineditismos.

O primeiro é que pode ser a primeira eleição desde a redemocratização do país – e desde a fundação do partido, em 1988 – que o PSDB não terá candidato a presidente da República. Os tucanos já venceram duas disputas, ambas com Fernando Henrique Cardoso, em 1994 e 1998.

Antes da era FHC, em 1989, na primeira eleição direta após o fim da ditadura militar, o partido tentou a Presidência com o ex-governador Mário Covas, um dos fundadores e um dos nomes históricos da legenda – ele chegou em quarto lugar, atrás de Fernando Collor (PRN), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Leonel Brizola (PDT).

Depois, o PSDB disputou e perdeu mais cinco eleições presidenciais: 2002 (José Serra), 2006 (Geraldo Alckmin), 2010 (de novo Serra), 2014 (Aécio Neves) e 2018 (de novo Alckmin).

Outro ineditismo para o qual os tucanos se encaminham na disputa presidencial é ser vice do MDB, partido do qual o PSDB nasceu em meio a uma insurgência de políticos identificados com a social-democracia europeia e com a ética na política, como Covas, FHC e Franco Montoro, contra o quercismo, corrente política que dominava a legenda e que tinha como líder o então governador de São Paulo, Orestes Quércia.

Continua após a publicidade

Desde então, as duas legendas só compuseram uma única vez uma chapa presidencial, em 2002, quando a deputada Rita Camata (PMDB-ES) foi vice de Serra. O então PMDB, antecessor do MDB, também deu apoio informal a FHC em 1998, mas sem se coligar.

PSDB site
José Serra, candidato do PSDB à Presidência, com Rita Camata, do PMDB, como vice, em 2002: única vez que os dois partidos fizeram chapa na eleição presidencial – Foto Claudio RossiI Claudio Rossi/Dedoc

Depois, o MDB trocaria de lado e indicaria o deputado Michel Temer para ser vice de Dilma Rousseff (PT) nas eleições de 2010 e 2014 – com a cassação da petista em 2016, o MDB voltou a ocupar a Presidência da República pela terceira vez: já havia chegado lá com José Sarney e com Itamar Franco.

Em 2018, tanto MDB (Henrique Meirelles) quanto PSDB (Alckmin) lançaram candidatos a presidente. O resultado foi decepcionante: Meirelles teve 1,20% dos votos válidos e o tucano, 4,76%, no pior desempenho de um presidenciável na história do PSDB.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)