Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

De saída do PDT, quatro deputados votarão a favor da PEC dos Precatórios

Presidente da sigla, Carlos Lupi, diz que conseguiu reverter votos de rebeldes, mas cita quatro parlamentares que estão sendo expulsos ou sairão da legenda

Por Da Redação
Atualizado em 9 nov 2021, 21h08 - Publicado em 9 nov 2021, 14h51

Ao menos quatro deputados do PDT vão manter os seus votos a favor da PEC dos Precatórios mesmo após a reprimenda oficial da legenda e o anúncio do presidenciável do partido, Ciro Gomes, de suspender a sua candidatura ao Planalto em 2022 contra a posição de parte da bancada na análise da proposta.

Na semana passada, durante a madrugada, 15 dos 24 deputados do partido disseram sim à PEC, que é de interesse do presidente Jair Bolsonaro e do Centrão e que, entre outros pontos, adia o pagamento dos precatórios para viabilizar recursos ao programa Auxílio Brasil e às emendas dos parlamentares em ano eleitoral. A PEC, que precisava de 308 votos, obteve apenas quatro a mais – ou seja, sem os votos do PDT, ela não teria passado.

Hoje, após reunião com a bancada, o presidente nacional da sigla, Carlos Lupi, disse que conseguiram obter o compromisso de mudança dos votos da maioria dos parlamentares rebeldes, com exceção de quatro deles, que sempre votaram alinhados ao Planalto: Marlon Santos (RS), Flávio Nogueira (PI), Alex Santana (BA) – estes deputados esperam autorização da Justiça para se desfiliarem – e Subtenente Gonzaga (MG), que anunciou que está de saída para outro partido.

Ciro não participou da reunião. “A unidade foi traçada”, disse Lupi ao lado dos deputados André Figueiredo (CE), ex-líder do partido na Câmara, e Wolney Queiroz (PE), atual líder da bancada. Ao contrário da primeira votação, a liderança vai encaminhar agora a orientação de votar “não” na proposta. A ver como os deputados se comportarão na votação em segundo turno, que deve ocorrer  ainda nesta terça-feira.

Continua após a publicidade

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.