Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho e Isabella Alonso Panho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

CPI da Covid tem 343 pedidos para ouvir de pastor a ministro do STF

Maioria de requerimentos não apreciados é para convocação de profissionais de Saúde e autoridades, como João Doria, mas há solicitações de informações

Por Juliana Castro 23 Maio 2021, 12h50

Instalada há menos de um mês, no dia 27 de abril, a CPI da Covid no Senado tem uma lista de 343 requerimentos na lista para serem analisados – a maioria pedidos para convocar ou convidar autoridades e especialistas na área da Saúde e a minoria sobre pedidos de informações. Há ao menos 61 situações de solicitações semelhantes. Os pedidos vão desde convite para ouvir o Pastor Silas Malafaia, da Assembleia Vitória em Cristo, à convocação do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF).

O convite para ouvir Malafaia partiu do senador Marcos Rogério (DEM-RO), um dos governistas da comissão, que tem 33 requerimentos pendentes de análise. A justificativa para ouvir o pastor é que, numa discussão sobre a existência de um possível “ministério paralelo da saúde” que atuava em defesa de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19, foi falado que Malafaia seria um dos conselheiros do presidente Jair Bolsonaro.

Outro governista, o senador Eduardo Girão (Podemos-CE), foi quem apresentou requerimento de convocação de Marco Aurélio Mello. Foi o ministro quem acolheu parte da ação do PDT contra a Medida Provisória que restringia ao governo federal as competências para determinar o que são serviços essenciais e para limitar a circulação interestadual e intermunicipal de pessoas e mercadorias. Com a decisão, confirmada pela Corte, ficou firmado o entendimento de que estados e municípios também podiam tomar medidas contra a pandemia. Até hoje, Bolsonaro e seus aliados distribuem lamúrias por aí por conta desse julgamento.

Desde as articulações para a CPI, os governistas queriam que o foco fosse nos estados e prefeituras, como uma forma de blindar Bolsonaro e voltar a carga para os inimigos políticos do presidente. Já a oposição mira na ineficiência do Ministério da Saúde em combater a pandemia, na atuação do presidente contra medidas de isolamento e na aquisição de vacinas, além da pregação de Bolsonaro a favor do chamado tratamento precoce, para o qual não há qualquer comprovação científica.

Os parlamentares aliados seguem a estratégia e tentam convocar governadores. Marcos Rogério, por exemplo, quer a presença de João Doria (PSDB-SP), Rui Costa (PT-BA), Helder Barbalho (MDB-PA) e Wilson Lima (PSC-AM) na comissão, para tirar o foco do governo federal e jogar a pressão sobre os estados. Nessa mesma estratégia, o senador Eduardo Girão pediu a convocação do diretor-geral da Polícia Federal,  Paulo Maiurino, para falar das operações contra desvios de verba de combate à Covid-19 que miraram estados e municípios.

Continua após a publicidade

Na estratégia contrária, a oposição centra na atuação de Bolsonaro e até de sua família. Senador com mais requerimentos ainda a serem analisados – 79 no total -, Humberto Costa (PT-PE), por exemplo, apresentou requerimento para a convocação do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). O filho Zero Dois do presidente entrou na mira da CPI após duas testemunhas – o ex-ministro Henrique Mandetta e o ex-CEO da Pfizer na América Latina Carlos Murillo – relatarem que ele participou de reuniões cruciais para a obtenção de vacinas.

Há pedidos ainda para ouvir diversos ministros do governo Bolsonaro, como Paulo Guedes (Economia), Walter Braga Netto (Defesa), Anderson Torres (Justiça) e Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), os embaixadores da China no Brasil, Yang Wanming, e da Rússia, Alexey Labetskiy. Os senadores apresentaram ainda requerimentos de convocação de representantes da empresa White Martins, para falar sobre a falta de oxigênio no Amazonas.

Em paralelo, a CPI da Covid tem recebido diversas respostas de requerimentos em que foram feitos pedidos de informação a órgãos na administração federal, nos estados, prefeituras e até ao Ministério Público Federal. Ao todo, já foram 314 respostas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.